Mãe americana é suspeita de inventar doença terminal para filha e arrecadar milhares de dólares na internet

·1 minuto de leitura

O xerife do condado de Stark, em Ohio, nos Estados Unidos, abriu uma investigação para apurar se uma mulher da região, Lindsey Abbuhl, inventou ou não uma doença terminal para sua filha de 11 anos. A enfermidade da criança teria sido utilizada pela mãe para arrecadar dinheiro através de vaquinhas na internet, com a justificativa de financiar o tratamento da jovem. Na realidade, o dinheiro seria usado pela mulher para bancar viagens e outros gastos.


Exames médicos conduzidos pelas autoridades mostraram que a criança não sofre de nenhum tipo de doença grave. A filha de Lindsey, inclusive, teria dito as autoridades não ter nenhum problema de saúde. Contudo, a mãe teria buscado até mesmo apoio junto a Agência de Proteção as Crianças do estado, que teria fornecido apoio psicológico a menina para que ela aprendesse a "lidar com a própria morte".


Além das vaquinhas, a mãe chegou a organizar eventos beneficentes, como torneios de boliche e de softbal, para arrecadar dinheiro para o suposto tratamento da filha. Em dezembro, uma organização de caridade que realiza os últimos desejos de crianças em estado terminal bancou para a família uma visita ao parque aquático Sea World, segundo o jornal inglês The Daily Mail.

Essa não teria sido a primeira mentira contada por Lindsey Abbuhl. Segundo seu ex-marido, que atualmente tem a guarda temporária da menina, ela teria dito sofrer de um tumor cerebral anos atrás, e a mulher teria chegado ao ponto de buscar futuros pais adotivos para sua filha.


A plataforma em que as vaquinhas teriam sido organizadas, chamada de GoFundeMe, disse já ter retirado o anunciou do ar e avisou que os doadores podem pedir reembolso.