Mãe Celina de Xangô reúne, em livro, receitas que ajudam a relaxar e enregizar ambientes

Eduardo Vanini
·4 minuto de leitura

Ao fechar os olhos, Mãe Celina de Xangô consegue enxergar com nitidez algumas das memórias mais doces de sua infância. É assim que ela vê a avó Armanda e a bisavó Maria caminharem pelo quintal do casarão onde morava toda a família, em Barro Vermelho, bairro de São Gonçalo, enquanto preparavam a terra para o plantio de ervas e alimentos. “Acho que eu tinha uns 6 anos nas primeiras memórias que tenho dessa época. Lembro-me de vê-las usando as cinzas do fogão à lenha para cobrir o solo e achar aquilo muito curioso.”

Tinha de um tudo naquele quintal. Erva-cidreira, caruru-do-mato, manjericão, broto de abóbora... E, conforme crescia, Mãe Celina descobria que cada planta tinha a sua devida função. Foi com esses ingredientes que a avó, numa época de parcos recursos, cuidou da bronquite dela na infância. Mais tarde, a ajudou, da mesma maneira, a ter uma gravidez menos conturbada, depois de um aborto espontâneo.

Todos esses saberes convergem agora para as páginas do livro “O poder das ervas”, que a mãe de santo e gestora do Centro Cultural Pequena África acaba de lançar, de maneira independente. A publicação reúne histórias e receitas que aprendeu ao longo de tantos anos e, de uns tempos para cá, começou a tomar nota. “Por ser a neta mais velha, absorvi com uma intensidade maior esse conhecimento, que era passado apenas pela oralidade”, diz a autora. Transcrever esse conteúdo, segundo ela, é uma maneira de dar ainda mais legitimidade às receitas, além levá-las a novos públicos. Não por acaso, o livro, que pode ser comprado pelo Instagram @maecelinadexango, tem apresentação da premiada autora Eliana Alves Cruz e foi produzido numa edição bilíngue, com o conteúdo em português e inglês.

O título vem de um projeto homônimo mantido por Mãe Celina desde 2016, pelo qual promove workshops sobre o tema. Ela já levou esse conteúdo a cidades da Europa e a Benin, na África, numa jornada que só fez aumentar o seu conhecimento. “Quando estive em Paris, descobri que lá não havia as mesmas ervas que temos aqui. Então, joguei búzios e consultei os orixás para saber como poderia substituí-las”, conta. Assim, descobriu que lavanda pode ajudar em casos de depressão, e alecrim traz disposição.

Em sua passagem por Benin, a experiência foi oposta: as mesmas ervas do quintal de sua antiga casa podiam ser encontradas em todos os cantos dos locais por onde passou. “Foi quando entendi de onde veio o que a minha avó plantava. Vi a minha história passar diante dos meus olhos e tive a ideia de escrever o livro”, relembra, sobre a experiência vivida alguns anos atrás.

Na publicação, as receitas (confira alguns exemplos abaixo) são separadas em categorias como “banho de ervas”, “escalda-pés” e “ambientes”. Há combinações para relaxar, para promover a união familiar e até para trazer energias positivas à casa e ao local de trabalho. Ao final, a autora ainda lista ervas com seus respectivos orixás. Mãe Celina, no entanto, faz questão de avisar: “Não sou fitoterapeuta. Sou mãe de santo, e o livro é todo voltado para a proteção”. Afinal, como ela diz, “quando o calo começa a doer, todo mundo tem uma mandinga para fazer”.

Algumas receitas do livro

Banho para relaxar

Ingredientes: 1 colher de sopa de anis-estrelado; 1 colher de sopa de alecrim; 1 colher de sopa de cravo-da-índia; 1 flor de girassol.

Modo de fazer: Ferva dois litros de água mineral ou filtrada, misturando as especiarias. Após fervida, apague o fogo e adicione o girassol. Coe depois de alguns minutos.

Escalda-pés revigorante

Ingredientes: 1 colher de alecrim; 1 colher de hortelã; 1/2 limão espremido; 1/2 colher de sal grosso.

Modo de fazer: Ferva dois litros de água. Misture as ervas com o limão e coloque na água, sem estar no fogo. Após alguns minutos, coloque tudo junto com o sal grosso numa bacia. Quando a temperatura estiver confortável, coloque os pés.

Para trazer energias positivas

Ingredientes: 1 colher de lavanda; 1 colher de alecrim; 1 litro de álcool 70.

Modo de fazer: Coloque as ervas dentro da garrafa de álcool e guarde por três dias. Em seguida, transfira o líquido para um borrifador. Borrife pela casa ou pelo local de trabalho. Procure evitar roupas pretas ou escuras e devolva os resíduos das ervas à natureza, como adubo.