Mãe diz que filho de 4 anos vacinado por engano contra a Covid-19 passa bem

Elaine Neves
·3 minuto de leitura

RIO - O menino João Vitor, de 4 anos, foi uma das 46 pessoas vacinadas por engano contra a Covid-19 no interior de São Paulo. A mãe da criança, Milena Riani Ribeiro, de 29 anos, contou que o filho está bem. Na terça-feira, João esteve na unidade de saúde, acompanhado da mãe, para tomar a vacina contra a gripe, já que o Estado deu início à primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação, contemplando crianças e gestantes.

Milena conta que recebeu uma ligação da Vigilância Sanitária dois dias depois dizendo que José havia sido vacinado erroneamente. Entre os vacinados estão 18 adultos, sendo uma gestante, e 28 crianças.

- A Vigilância Sanitária me ligou falando que houve um problema na vacina do meu menino. Meu filho tomou a vacina na terça-feira e eles entram em contato na quinta. Pediram para comparecer e que houve um erro na vacina no meu menino. ", disse.

De acordo com a secretaria municipal de Saúde de Itirapina, o erro foi percebido no mesmo dia durante o controle do estoque, quando foi identificada a falta de unidades da CoronaVac. Ainda segundo a pasta, uma técnica de enfermagem fez a separação errada da caixa contendo os frascos, enviando os imunizantes contra o coronavírus para o posto de vacinação na escola municipal José Cruz.

Ainda não há estudos conclusivos sobre a vacinação da CoronaVac em menores. Milena disse que até o momento, José Vitor não apresentou nenhuma reação da CoronaVac. Ela contou ainda que durante a consulta com a pediatra indicada pela Vigilância, a médica disse que José foi 'premiado' com a vacina e que não teria problema em tomar a segunda dose.

- A pediatra falou que eu devia estar feliz porque meu filho foi premiado e que tinha tomado a vacina do Coronavírus. Disse ainda, que não tinha problema nenhum dar a segunda dose e depois a da gripe - contou a mãe do menino.

O Instituto Butantan informou que não é indicada a aplicação da segunda dose do imunizante em crianças e gestantes, que receberam a dose da CoronaVac por engano. Em nota, o instituto informou que é recomendável que essas pessoas aguardem por 14 dias antes de receberem a vacina contra a gripe.

A técnica de enfermagem, que não teve a identidade revelada, foi afastada. Em nota, a secretaria informou ainda que "providências na apuração de responsabilidades, na área administrativa e legal, também já estão sendo tomadas".

Nota na íntegra do Instituto Butantan:

Conforme consta em bula, a vacina contra o novo coronavírus é indicada para indivíduos com 18 anos ou mais. Não há conclusões científicas até o momento de segurança ou eficácia da vacina adsorvida covid-19 (inativada) na população pediátrica ou em gestantes.

É importante que, em casos como esse, as vigilâncias municipais acompanhem e coletem informações individuais das crianças e/ou gestantes expostas, solicitando que busquem orientação imediata nos serviços de saúde caso apresentem algum evento adverso. O Butantan fica à disposição por meio de Serviço de Atendimento ao Consumidor e seu setor de Farmacovigilância, mas a investigação e acompanhamento dos casos compete às vigilâncias municipais.

Também é recomendável que essas pessoas, vacinadas erroneamente com a Coronavac, aguardem por 14 dias antes de receberem a vacina contra a gripe.

Cabe ressaltar que, no caso de crianças e/ou gestantes expostas à vacina de covid-19, não é indicada a aplicação da segunda dose do imunizante.