Mãe e irmã de Paulo Gustavo foram inspiração para Dona Hermínia e Marcelina

Extra
·2 minuto de leitura

O ator e comediante Paulo Gustavo sempre teve em sua família uma fonte de inspiração para criar os personagens que levou para o teatro, para a televisão e para o cinema. Sobretudo em sua mãe, Déa Lúcia, que foi a base para ele montar em 2006 o monólogo "Minha mãe é uma peça", que se tornou um fenômeno e catapultou o ator para o sucesso.

No palco, as queixas da superprotetora Dona Hermínia, personagem criado e interpretado pelo próprio Paulo, cairam no gosto do público e renderam até uma franquia de filmes. No cinema, "Minha mãe é uma peça" (2013), dirigido por André Pellenz, foi o filme mais assistido daquele ano e registrou 4.600.145 espectadores nas salas de cinema Brasil afora. A sequência, de 2016, com direção de César Rodrigues, foi ainda mais exitoso, ultrapassando a marca de 9 milhões de espectadores. "Minha mãe é uma peça 3", o último filme da trilogia, lançado em 2019, seguiu a tendência dos antecessores e alcançou a segunda colocação na lista dos filmes de maior bilheteria de todos os tempos, com 11.608.254 espectadores.

A cumplicidade entre Paulo Gustavo e Déa Lúcia é visceral. Na revista Ela, do GLOBO, o comediante contou quando a mãe o questionou sobre sua orientação sexual, durante a adolescência.

— Com a minha mãe foi tudo muito natural. Eu estava indo do quarto para a cozinha quando ela me perguntou: “Paulo Gustavo, você é viado?”. Foi assim, indo comprar pão. Eu respondi: “Sou, tem algum problema?”. Ela soltou um palavrão e completou: “Está tudo certo, só tenho medo de você ser maltratado na rua. Em casa, você pode ser o que quiser porque eu vou te amar do mesmo jeito. Estamos fechados e vamos juntos”. Minha mãe ligou zero para o fato de eu ser viado — lembrou ele.

Além da mãe, Déa Lucia, a irmã de Paulo Gustavo, Juliana Amaral, também foi o ponto de partida para o ator criar a personagem Marcelina, intepretada por Mariana Xavier nos longas da franquia. Na época, o ator disse a característica de "comilona" da irmã tinha sido o gancho para desenhar a personagem no cinema.