Mãe encontra paredes com símbolos e criptografia após jovem sumir no Acre

JAIRO BARBOSA

RIO BRANCO, AC (FOLHAPRESS) - Um quarto de um jovem encontrado com paredes cheias de sinais e livros escritos à mão e o desaparecimento do autor, o estudante de psicologia Bruno Borges, 24. O mistério, que viralizou nas redes sociais, é investigado pela Polícia Civil de Rio Branco (AC).

Desde o último dia 27, Borges está sumido, segundo sua família, e não fez nenhum contato. Em seu quarto, foram encontrados 14 livros escritos à mão e criptografados, além de figuras e algarismos romanos.

O estudante não é visto desde que foi deixado pelo pai na porta de casa, em um bairro de classe média na capital do Acre.

A parede, o piso e alguns móveis do quarto receberam os escritos de Borges. No meio do cômodo, ele colocou uma estátua em tamanho natural do filósofo italiano Giordano Bruno que, segundo o pai do adolescente, o empresário Athos Borges, foi comprada pelo valor de R$ 7.000.

A mãe de Bruno, a psicóloga Denise Borges, disse que antes do desaparecimento o quarto do filho era normal, igual ao de um jovem estudante.

Mas o cenário foi transformado durante o período em que ela e o marido viajaram de férias –passaram 22 dias fora do Estado.

"Estou muito preocupada, mas um pouco confortada já. Ele deixou um mistério que a gente ainda não entende, mas tem muita gente rezando por ele e sei que está bem", disse a mãe.

Antes de desaparecer, ainda conforme os pais, o estudante pediu dinheiro para patentear as obras que escrevera. Dizia para a família que havia encontrado uma teoria que iria mudar de forma boa a humanidade. Mas os pais negaram o auxílio financeiro.

Borges tem um irmão gêmeo, Rodrigo, além de Gabriela, mais velha, para quem chegou a mostrar um dos livros que produziu.

INVESTIGAÇÃO

O delegado Fabrizzio Sobreira esteve no quarto do estudante na última semana e viu as escrituras, os símbolos e os desenhos deixados pelo jovem.

Ele afirmou que, apesar dos sinais encontrados, a polícia possui poucas pistas que possam levar ao paradeiro do estudante.

Sobreira disse que a polícia está analisando todo o sistema de imagens existentes desde o aeroporto até o posto de fiscalização da Polícia de Trânsito na rodovia 317, que dá acesso à fronteira do Brasil com a Bolívia, distante 240 quilômetros da capital, em busca de informações.

O pai do estudante gravou um vídeo contando a trajetória do filho, pediu perdão por não acreditar no projeto pessoal dele e disse que vai financiar a publicação dos livros tão logo Borges volte para casa.