Mãe ficou com filha nos braços em prédio que desabou em Rio das Pedras

·4 minuto de leitura

Maria Quiara Abreu, de 26 anos, estava com a filha Maitê, de 2 anos, no momento em que o prédio onde a família morava veio abaixo, na madrugada desta quinta-feira, em Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio. Os primos da vítima — a última a ser resgatada com vida dos escombros — contaram que ela segurava a criança. Eles aguardam a melhora no estado de saúde da mulher, que segue internada no Hospital municipal Miguel Couto, na Gávea, após passar por cirurgias — ela ficou presa aos escombros pelos quadris e pernas. O marido de Maria Quiara e pai de Maitê, Nathan Gomes de Souza, de 30 anos, também foi uma vítima fatal.

— (A Maitê) Era uma criança muito inteligente. Ela (Quiara) estava segurando a bebê nos escombros. Eu espero que ela não esteja ciente que a bebê morreu agora, e nem o marido. A gente quer que primeiro ela se recupere, e depois resolve os outros assuntos — disse Jonas Alves, primo de Maria Quiara, que esteve no hospital.

— Fiquei sabendo quando estava no trabalho. Eu soube do acidente, não sabia que era tão próximo da família. E soubemos da bebê. Ela saiu com a bebê no colo. Ela passou por um procedimento cirúrgico, devido aos machucados, mas tá estável, lúcida. Por motivo de dor passou por sedativo — disse Júnior Almeida, também primo da vítima. — A família é do Pará. Tentando manter a calma. Ligando, mandando mensagens. É uma dor no coração.

Maria Quiara e Nathan começaram o relacionamento há cerca de três anos, mesmo período em que descobriram a gravidez, que não foi planejada. A chegada de Maitê mudou a vida do casal, que ainda na gestação passaram a morar juntos no segundo andar do prédio. No post em suas redes sociais, ela publicou uma foto da festa de aniversário da filha, em que falou da surpresa da notícia, que mudou a vida do casal.

"Realmente, alguns sonhos tive que jogar ao vento, e não tá sendo nada fácil, mas hoje posso dizer que foi o erro mais acertado da minha vida", escreveu Kiara na publicação de outubro de 2019.

No primeiro andar do prédio funcionava a lan house, no qual Nathan, formado em Tecnologia da Informação, administrava.

— Nós não tínhamos nenhuma informação que o prédio podia cair de uma hora pra outra. Era intacto por fora. Dentro era uma casa super linda, bem reformada, toda mobiliada — contou Jonas. — A lan house tinha mais de quatro anos, pelo menos. Sempre ficava cheio. Ninguém nunca teve suspeita de que isso podia acontecer.

Prédio de família

Maria Quiara veio para o Rio ainda na adolescência, onde terminou a escola e iniciou a faculdade de Administração, o qual chegou a cursar os primeiros períodos, mas sem concluir. No momento, ela trabalhava em casa, com vendas por meio de ecommerce. Antes do relacionamento com Nathan, ela já morava em Rio das Pedras, mas em outra rua. A mudança para o prédio — que, segundo vizinhos, foi um dos primeiros a ser erguido feito de alvenaria na Rua das Uvas — ocorreu depois do início do relacionamento.

Em depoimento na tarde desta quinta-feira, um autônomo confirmou que o prédio onde a família morava começou a ser construído há cerca de 15 anos. O edifício de quatro pavimentos, com um apartamento por andar, foi feito aos poucos e concluído há oito anos. De acordo com policiais da 32ª DP, que iniciaram as investigações sobre o caso, o responsável pela obra foi o comerciante Genivan Gomes Macedo, pai da Nathan.

No térreo, eram duas lojas, uma delas estava fechada e na outra funcionava uma lan house. No segundo andar, moravam o filho de Genivan, Natan Gomes de Souza, que morreu; sua neta, Maitê Gomes Abreu, que também não resistiu aos ferimentos; e sua nora, Maria Quiara Abreu Moita, que está internada. No terceiro andar, sua filha Nataniela Gomes de Souza e o companheiro, Jonas Rodrigues de Souza. Já no andar, residiam sua ex-mulher, Antonia Conrado Souza, e a filha, Antonia Tatiana Conrado de Souza.

No momento do desabamento, apenas Antonia não estava em casa. Trabalhando como cuidadora de idosos, ela passou a noite fora. Os primeiros a serem resgatados e levados para o Hospital municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, foram Nataniela, Jonas e Antônia Tatiana, que está internada em estado estável devido a queimaduras na perna. Maria Quiara foi socorrida dos escombros após mais de seis horas do desabamento. Ela foi levada para o Hospital municipal Miguel Couto de helicóptero depois de ser removida de ambulância do local do acidente.

Maitê, de 2 anos, foi encontrada já sem vida por volta das 10h. Em seguida, por volta de 12h20, o corpo de Nathan foi retirado dos escombros. Ele deixa um filho de seis anos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos