Média móvel de mortes por Covid-19 aumenta pelo 2º dia seguindo, mas permanece abaixo de 400

·2 minuto de leitura
Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo
Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Pelo segundo dia consecutivo a média móvel de mortes aumentou, chegando a 392, permanecendo abaixo dos 400 óbitos diários como média da semana. As informações são do boletim das 20h do consórcio de veículos de imprensa. Nesta quinta-feira, foram registrados 609 mortes e 23.317 novos casos de coronavírus. No total são 161.779 vidas perdidas para o Sars-CoV-2 e 5.614.258 infectados.

A "média móvel de 7 dias" faz uma média entre o número de mortes do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o "ruído" causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

O estado do Amapá não divulgou novos dados nesta quinta-feira. Portanto o boletim possui informações de 25 estados mais o Distrito Federal.

O consórcio de veículos de imprensa é formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até às 20h.

A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.

A pasta divulgou no início desta noite seu balanço, que registrou 630 novas mortes por Covid-19, elevando para 161.736 o número de vidas perdidas. Foram contabilizados também 22.294 novos casos de coronavírus, aumentando para 5.612.319 os infectados.

Uma vacina candidata contra a Covid-19 apoiada pelo governo da Índia poderá ser lançada já em fevereiro, meses antes do esperado. Os testes de estágio avançado começam neste mês e os estudos feitos até agora indicam que ela é segura e eficiente, disse à Reuters Rajni Kant, cientista do governo indiano. A Bharat Biotech, empresa privada que está desenvolvendo o imunizante, batizado de Covaxin, com a estatal Conselho Indiano de Pesquisa Médica, esperava anteriormente lançá-la somente no segundo trimestre do ano que vem.

— A vacina mostrou uma boa eficiência", disse Rajni Kant, cientista da estatal e que também é membro de sua força-tarefa contra o Covid-19, na sede da entidade em Nova Délhi. — Espera-se que até o início do próximo ano, fevereiro ou março, algo esteja disponível.

Não foi possível contatar a Bharat Biotech de imediato. Um lançamento em fevereiro fará da Covaxin a primeira vacina de fabricação indiana a ser distribuída. Uma vacina é vista como a maior aposta mundial para se controlar o novo coronavírus que já infectou mais de 48 milhões de pessoas, provocou mais de 1,2 milhão de mortes, abalou economias e transtornou bilhões de vidas desde que foi identificado na China em dezembro.