Médica que caiu antes de ser anunciada no Ministério da Saúde fala à CPI da Covid

·1 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 02.06.2021: CPI-COVID-DF - CPI da Covid no Senado ouve nesta quarta-feira (2) a médica Luana Araújo, que chegou a ser anunciada em maio como secretária especial de Enfrentamento da Covid do Ministério da Saúde, mas teve sua indicação retirada dez dias depois, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 02.06.2021: CPI-COVID-DF - CPI da Covid no Senado ouve nesta quarta-feira (2) a médica Luana Araújo, que chegou a ser anunciada em maio como secretária especial de Enfrentamento da Covid do Ministério da Saúde, mas teve sua indicação retirada dez dias depois, em Brasília (DF). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A CPI da Covid ouve nesta quarta-feira (2) a médica Luana Araújo, que chegou a ser anunciada em maio como secretária especial de Enfrentamento da Covid do Ministério da Saúde, mas teve sua indicação retirada dez dias depois.

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), decidiu antecipar a oitiva de Luana para colher a versão dela sobre a saída do ministério e, em seguida, confrontar o ministro Marcelo Queiroga, que deve ser reconvocado a prestar novo depoimento.

Quando foi anunciada no cargo, Luana disse que pretendia adotar ações com base em evidências científicas. Formada em medicina pela UFRJ, tem residência em infectologia pela mesma instituição e é pós-graduada em epidemiologia pela Universidade Johns Hopkins (EUA).

À época, Queiroga negou que tenha havido pressão do Palácio do Planalto pela saída da médica.