Médica que denunciou surto de coronavírus em Wuhan, na China, está desaparecida

Ai Fen é diretora do departamento de emergência do Hospital Central de Wuhan

Uma das médicas que alertou sobre o novo coronavírus em Wuhan, na China, cidade que originou a pandemia, está desaparecida. Ai Fen, diretora do departamento de emergência do Hospital Central de Wuhan, disse à revista "People" que uma colega enviou a ela um relatório de diagnóstico, no final de dezembro de 2019, de uma infecção preocupante que espelhava a síndrome respiratória aguda grave (SARS), de acordo com o jornal "South China Morning Post". Na época, ela foi proibida pelos seus superiores de falar sobre o que se estava a passar.

Segundo a investigação do programa "60 Minutes", da rede CNN Austrália, há duas semanas, Ai Fentornou a situação pública na revista chinesa Renwu,  dizendo que tinha sido silenciada em dezembro de 2019, após alertar os seus superiores para o vírus desconhecido - na altura - que não parava de surgir.

Leia também

O presidente da República Popular da China, Xi Jinping, ordenou que a entrevista fosse apagada da internet e agora o paradeiro de Ai é "desconhecido". A mesma investigação sublinha ainda que, caso o governo não tentasse ocultar o início do surto, este poderia ter sido contido em 95%.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

 Ai compartilhou uma foto do relatório em um grupo WeChat em 30 de dezembro e, em seguida, seus membros divulgaram a foto mais amplamente. O médico denunciante Li Wenliang, 34 anos, que foi silenciado por autoridades chinesas e depois morreu do vírus COVID-19, fazia parte desse grupo.

 Ai disse que também deu às autoridades do hospital um alerta sobre o vírus.

"Até peguei o diretor do departamento de respiração do hospital, que passava pelo meu consultório, e disse a ele que um de seus pacientes estava infectado com um vírus do tipo SARS", disse Ai à revista People, segundo o Post.

 Chama-se Ai Fen e foi uma das médicas que tentou denunciar o surto de coronavírus em Wuhan, China, para o mundo e foi silenciada. No início do surto, em dezembro, que viria a explodir em janeiro, Ai Fen foi proibida pelos seus superiores de falar sobre o que se estava a passar. Agora está desaparecida.

O berço da pandemia do século situa-se num território de regime totalitário e as primeiras quatro semanas do surto - as cruciais para conter ou não a epidemia - foram passadas a tentar esconder a situação nos hospitais daquela província.

Um grupo de médicos, incluindo Ai Fen, tentou que as informações que circulavam entre eles passassem para o exterior.

Segundo a investigação levada a cabo pelo programa 60 Minutes, da CNN Austrália, há duas semanas, Ai Fen, diretora de emergência do hospital Wuhan Central, tornou a situação pública na revista chinesa Renwu, dizendo que tinha sido silenciada em dezembro de 2019 após alertar os seus superiores para o vírus desconhecido - na altura - que não parava de surgir.

O presidente da República Popular da China, Xi Jinping, ordenou que a entrevista fosse apagada da Internet e agora o paradeiro de Ai é "desconhecido".

A mesma investigação sublinha ainda que, caso o governo não tentasse ocultar o início do surto, este poderia ter sido contido em 95%.