Médicos cubanos chegam ao Panamá para combater a pandemia apesar da rejeição dos EUA

Juan José Rodríguez
·2 minuto de leitura
Imagem divulgada pelo Aeroporto Tocumen do Panamá

Um grupo de 220 profissionais de saúde cubanos chegou ao Panamá nesta quinta-feira (24), apesar da rejeição dos Estados Unidos, em ajudar o país centro-americano no combate a uma pandemia que sobrecarregou completamente seu sistema de saúde.

"O reforço médico chega ao sistema de saúde com o objetivo de contribuir para a alta procura dos nossos hospitais", afirmou o ministro da Saúde, Luís Francisco Sucre, em sua conta no Twitter.

"São 100% especialistas de diversas áreas de terapia intensiva, clínica médica, pneumologia, cardiologia e fisioterapia respiratória. Além disso (existem) especialistas de apoio à enfermagem”, explicou Alessandro Ganci, assessor do Ministério da Saúde do Panamá.

Por sua vez, a embaixada cubana no Panamá celebrou a chegada de seus "heróis de jaleco", como são chamadas essas missões.

Em 15 de dezembro, o governo panamenho anunciou que iria contratar médicos de Cuba, Estados Unidos, México, Venezuela e Colômbia para enfrentar a covid-19.

Com 4,2 milhões de habitantes, o Panamá tem o maior número de casos da pandemia em toda a América Central, com mais de 220.000 casos acumulados e 3.664 mortes.

Depois de reabrir grande parte de suas atividades econômicas entre setembro e outubro, o país está em pleno crescimento, com 40 mil novos casos e 500 mortes em 18 dias.

A situação provocou a lotação dos hospitais e o esgotamento do pessoal de saúde.

O governo teve que montar barracas nos arredores de vários hospitais e habilitar academias e um centro de convenções para tratar os doentes, enquanto espera receber cerca de 450.000 doses da vacina da Pfizer no primeiro trimestre de 2021.

"As autoridades tomaram a decisão mais razoável e lógica, aqui o assunto não é ideológico, mas sim para ver como podemos administrar da melhor forma" a pandemia, relatou à AFP Domingo Moreno, coordenador do principal sindicato médico panamenho.

"Foi feito todo o possível para conter e mitigar a propagação (do vírus)", mas "os casos já nos ultrapassaram" e "não temos os recursos humanos necessários", acrescentou.

No entanto, a decisão de trazer médicos estrangeiros é polêmica no Panamá, onde a prática da medicina e enfermagem é exclusivamente para profissionais locais.

jjr/mps/bn