Médicos do país criam documento com propostas para os primeiros 100 dias do governo Lula

Lula recebe série de proposta de médicos (Horacio Villalobos#Corbis/Corbis via Getty Images)
Lula recebe série de proposta de médicos (Horacio Villalobos#Corbis/Corbis via Getty Images)

Médicos e entidades que representam a classe debateram hoje por zoom ao longo de três horas propostas na área de saúde para serem executadas nos primeiros 100 dias do governo Lula. Elas serão entregues a Geraldo Alckmin e Aloizio Mercadante, coordenadores do grupo de transição do governo Lula.

Liderada pela cardiologista e intensivista Ludhmila Hajjar, a reunião teve a participação de 25 profissionais de saúde das mais variadas especialidades. Entre eles, os infectologistas Julio Croda, Alexandre Naime, Luana Araújo, Rosana Richtmann e Alberto Chebabo, a pneumologista Margareth Dalcolmo, o oncologista e ex-ministro Nelson Teich, os epidemiologistas Wanderson Oliveira e Pedro Hallal e o pesquisador brasileiro da Universidade de Nebraska, nos Estados Unidos, André Kalil.

Entre as propostas que serão formalizadas estão as seguintes:

  • Reestabelecer imediatamente o protagonismo do Ministério da Saúde na área de comunicação. Isso vai resultar em benefícios imediatos para a população

  • Revisão imediata das formações das câmaras técnicas e núcleos do Ministério da Saúde para incluir pessoas técnicas qualificadas e de sociedades médicas para ter a ciência como protagonista

  • Uniformizar o calendário da vacinação de Covid-19 no país

  • Lidar com transparência e velocidade na compra e distribuição de vacinas de Covid-19 para o ano de 2023

  • Agir rapidamente para evitar risco de desabastecimento de vacinas, insumos, medicamentos, testes e insumos

  • Dar total independência às agências de saúde para se ter a ciência determinando as políticas públicas

  • Ter políticas específicas de cuidado de doentes críticos, idosos, e na área de saúde mental