Médicos e pacientes detidos no Paquistão por tráfico de órgãos

Soldados paquistaneses patrulham um estádio de críquete em Lahore, em 4 de março de 2017

As autoridades paquistanesas desmantelaram uma rede de tráfico de órgãos e prenderam seis pessoas, incluindo dois médicos, durante uma operação em uma casa de Lahore onde eram realizados transplantes de modo ilegal.

De acordo com a polícia, a rede vendia fígados a pacientes estrangeiros, especialmente das ricas monarquias do Golfo.

"Uma equipe realizou uma operação em uma casa de Lahore e surpreendeu quatro pessoas em flagrante delito durante transplantes ilegais de fígados a dois cidadãos de Omã", afirmou à AFP Jamil Ahmad Mayo, subdiretor da Agência Federal de Investigação.

Os dois pacientes omanis, que também foram detidos, pagaram cada um 70.000 dólares pelo fígado.

O Paquistão não possui um sistema de doação de órgãos após a morte. No país, as doações só podem ser autorizadas em vida e para membros da própria família. O comércio de órgãos é ilegal no país.

Mas a escassez crônica de órgãos e a pobreza que leva alguns paquistaneses a vender seus órgãos para sobreviver alimentam um importante mercado clandestino no país.