Médicos do Reino Unido investigam se Covid-19 ajudou na cura de paciente com câncer

Extra
·2 minuto de leitura

A cura de um paciente com câncer que foi diagnosticado com a Covid-19 está sendo estudada por médicos do Reino Unido. O homem de 61 anos, que não teve a identidade revelada, mas vive na região da Cornualha, recebeu o diagnóstico de linfoma de Hodgkin poucas semanas antes de contrair o coronavírus no ano passado. Após a recuperação, voltou a fazer exames de acompanhamento e descobriu que o tumor havia praticamente desaparecido.

O caso foi publicado no periódico "British Journal of Hematology". A equipe médica reconhece que, apesar de muito raras, regressões espontâneas desse câncer já foram reportadas, mas não descarta ainda a possibilidade de o coronavírus ter influenciado na saúde do paciente.

Após o teste positivo para a Covid-19, o homem desenvolveu pneumonia e recebeu oxigênio enquanto os pulmões se recuperavam. A internação no hospital durou 11 dias e a redução no câncer foi detectada após uma tomografia computadorizada.

A médica Sarah Challoner, que tratou do paciente no Royal Cornwall Hospital, na cidade de Truro, reportou no relatório que a Covid-19 pode ter "desencadeado uma resposta imunológica antitumoral". Segundo ela, as células que combatem a infecção, chamadas células T, liberadas em grande escala pelo sistema imunológico para tentar se livrar do coronavírus, também atacam as células cancerosas que são reconhecidas como "estranhas".

Especialistas alertam que ainda é cedo para qualquer conclusão. Martin Ledwick, enfermeiro-chefe que atua na instituição de pesquisa Cancer Research UK, afirma que a situação pode ser apenas uma coincidência.

— Qualquer pessoa em tratamento de câncer deve continuar a seguir os conselhos de seus médicos, bem como se proteger contra a infecção de Covid-19. E encorajamos todos os que puderem a tomar a vacina também — afirmou em entrevista ao portal Wales Online.

Paul Hunter, professor de medicina da Universidade de East Anglia, ressalta que ninguém pode se expor deliberadamente à Covid-19 na esperança de que ela promova cura.

— Não entendemos totalmente os mecanismos que funcionaram no caso desse paciente, mas é provável que alguma resposta imunológica seja a razão. Os tumores geralmente escapam do sistema imunológico e, neste caso, a infecção por Covid parece ter iniciado o sistema imunológico de forma muito eficaz. Dado o quão comum é o câncer, e quão comum é a Covid-19, pode não ser surpreendente que vejamos mais relatos de remissão espontânea associada a coronavírus. Mas provar causa e efeito será muito difícil — destaca.