Médicos de SP pedem ajuda de influenciadores para conscientizar sobre gravidade da pandemia

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Médicos do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) e do Hospital Albert Einstein criaram uma campanha para pedir ajuda de celebridades e influenciadores na conscientização dos cuidados necessários para frear a disseminação do coronavírus. Através de um vídeo de cerca de dois minutos, os médicos alertam que o Brasil chegou ao pior momento da pandemia com hospitais lotados, sem capacidade de expansão dos leitos de UTIs (unidades de terapia intensiva) e à beira de um colapso. "A água chegou no pescoço, nós estamos em uma segunda onda muito difícil e nós estamos quase no colapso", diz Nassara Levin, diretora da infectologia do HC, logo no início do vídeo. Sob o nome de #CanceleACovid, a campanha pede aos comunicadores uma divulgação massiva das medidas de prevenção ao coronavírus como o uso de máscaras e o isolamento social. "Precisamos de vocês, todos os influenciadores, todas as celebridades, que possam vir nesta jornada da vida, influenciando, comunicando, fazendo uma comunicação massiva", diz Antonio José, CEO do Hospital das Clínicas. Nesta semana o país ultrapassou a marca de 300 mil mortos pela Covid-19. O país lidera o número de casos e mortes por dia no mundo e se tornou uma ameaça global. Cerca de 12,2 milhões de brasileiros já foram infectados pela doença. O vídeo chama a responsabilidade para os formadores de opinião, orientando-os a usar o poder que possuem nas redes sociais para atingir o maior número de pessoas possível e transmitir a gravidade da crise sanitária no país. "O engajamento das pessoas é fundamental no uso de máscaras, no distanciamento, na conscientização da gravidade do momento. Esse tipo de linguagem, essa uniformização, esse entendimento e essa participação fará a diferença. Eu conto com você", disse Claudio Lottenberg, presidente do conselho do Hospital Albert Einstein, se dirigindo aos influenciadores. Os médicos que fazem parte da campanha frisam que o momento é de medidas preventivas para frear o aumento de casos e mortes em decorrência da Covid-19, mas que precisam de ajuda para comunicar isso à população. "Não adianta mais leitos de UTI, não adianta mais respiradores. Logicamente tudo isso é plausível. Mas neste momento nós temos apenas uma solução imediata, a solução das pessoas continuarem em casa, usarem álcool em gel, usarem máscaras", completa o CEO do HC.