México lança seu 'maior' plano de vacinação com chegada das primeiras doses contra a covid-19

Natalia CANO
·3 minuto de leitura

O México começa nesta quinta-feira seu "maior" plano de vacinação, após a chegada nesta quarta (23) das primeiras 3.000 doses de vacinas contra a covid-19 desenvolvidas pela dupla farmacêutica Pfizer / BioNTech.

O carregamento chegou às 9h02 GMT (6h02 de Brasília)em um avião procedente da Bélgica esperado no aeroporto da Cidade do México por uma grande comissão liderada pelo chanceler Marcelo Ebrard.

Escoltadas por integrantes do Ministério da Defesa, as vacinas foram em seguida transferidas para uma instalação militar na zona sul da capital.

"Começa hoje uma grande operação de vacinação e transporte das vacinas de que precisaremos no México", disse o chanceler à imprensa no terminal aéreo.

"Hoje é o início do fim dessa pandemia (...) Amanhã começa a vacinação, seremos mais felizes", proclamou, exultante, Ebrard, que lidera as negociações para a compra de vacinas contra o novo coronavírus.

Essa remessa servirá para "calibrar o processo de refrigeração" de -70ºC que ela exige e afinar o processo se necessário, detalhou a chancelaria durante a tarde à imprensa.

“O próximo carregamento da vacina Pfizer será de 50 mil, que iniciará um processo de entregas periódicas que somará 1,4 milhão até 31 de janeiro”, acrescenta o texto.

O México se tornou assim o primeiro país latino-americano a receber vacinas contra a covid-19, que tirou quase 120.000 vidas nesta nação de 129 milhões de habitantes.

O país é o quarto em luto em números absolutos e o décimo quinto em termos de mortalidade.

Com os convênios que o governo mexicano assinou com diferentes laboratórios "serão compradas até 200 milhões de doses que permitirão imunizar, gratuitamente, até 116 milhões de mexicanos entre 2020 e 2021", informou o ministro da Fazenda, Arturo Herrera, pelo Twitter.

O funcionário detalhou que estes contratos superam o 1,659 bilhão de dólares.

- A luta não acabou -

A primeira fase da vacinação começará nesta quinta-feira e terá como foco os profissionais de saúde que enfrentam a pandemia. Cerca de 1,3 milhão de pessoas foram infectadas no México até agora.

"Não devemos nos deixar levar ou cair na ingênua crença de que o combate ao vírus acabou. Preparamos o maior plano de vacinação da história da nossa população", disse o secretário de Saúde, Jorge Alcocer, presente no aeroporto.

As primeiras vacinas serão administradas na Cidade do México e no estado de Coahuila, no norte do país, devido ao ultracongelamento e à logística que a preservação do medicamento exige, informou nesta quarta-feira o presidente Andrés Manuel López Obrador.

O presidente esquerdista acrescentou que mais tarde profissionais de saúde de outros estados próximos à capital e Coahuila serão imunizados.

Alcocer reiterou que a vacina será "universal e gratuita" e que a campanha cobrirá posteriormente os idosos e pacientes "clinicamente vulneráveis".

- Estratégia gradual -

Hugo López-Gatell, subsecretário de Saúde e responsável pela estratégia contra a epidemia, destacou que mais embarques são verificados semanalmente em fevereiro e que as remessas de vacinas continuarão em março.

"No final de março, teremos 7,5 milhões de doses da Pfizer e isso continuará até que tenhamos 34,4 milhões de doses", explicou o subsecretário na terça-feira.

O México também tem acordos preliminares de compra com o projeto sino-canadense CanSinoBio, para 35 milhões de doses, e com a britânica AstraZeneca, para 77,4 milhões de doses, além de fazer parte do mecanismo internacional COVAX, que permite comprar 51,6 milhões de vacinas adicionais.

O país é um dos dez primeiros a ter acesso à vacina no mundo, destacou o chanceler.

nc-axm/yow/dga/jc/mvv/jc