México pede para impulsionar desenvolvimento de vacinas contra covid-19 produzidas na região

·2 minuto de leitura
O presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador em 30 de março de 2021 no Palácio Nacional, na Cidade do México

O México pediu à comunidade ibero-americana nesta quarta-feira (21) para dar um impulso definitivo quanto ao desenvolvimento das vacinas contra a covid-19 produzidas na região, de forma a "nunca" voltar a enfrentar a situação de escassez ocorrida durante a atual pandemia.

A proposta se baseia em um convite já feito aos países da América Latina e Caribe para revisar os projetos de vacinas que estão sendo desenvolvidos em Cuba, México, Brasil, Argentina e Chile e que já estão em fase de ensaios clínicos, explicou o ministro das Relações Exteriores mexicano, Marcelo Ebrard, durante sua participação na Cúpula Ibero-americana.

"Precisamos, com capacidade, com investimento de recursos, perseverança, em essência, resolução (...) desenvolver, concluir as fases 3 das referidas vacinas e que possamos dar preferência no portfólio de nossos países a essas vacinas", disse o chanceler.

Ebrard considerou que a iniciativa permitiria responder "com prontidão e eficácia" ao desafio de saúde que a região viveu nos últimos meses em virtude da lentidão e da escassez no fornecimento de imunizantes.

"Em outras palavras, que nunca mais seja permitido que algo como o que vivemos agora aconteça no futuro imediato", acrescentou o chanceler mexicano durante o evento que acontece em Andorra, do qual participou remotamente.

Ele também convidou os governos da Espanha, Portugal e do país anfitrião a se unirem aos esforços e tornarem a "causa comum" diante de uma pandemia que mostrou "quais são os limites das organizações multilaterais".

Ebrard afirmou que a América Latina recebeu apenas 8,6% das quase 928 milhões de vacinas aplicadas no mundo e que essa parcela está voltada principalmente para quatro países, enquanto outras nações da região, como o Haiti, não receberam.

O ministro não especificou a fonte dos seus dados.

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, exigiu repetidas vezes o acesso igualitário às vacinas anticovid e acusou os países mais ricos de "estancarem" a produção.

O México, com 126 milhões de habitantes e que iniciou a vacinação contra a covid-19 em 24 de dezembro, aplicou até o momento 14,57 milhões de doses, segundo dados oficiais até 19 de abril.

O país latino-americano é o terceiro mais atingido pelo vírus no mundo, com 213.048 mortes.

jla/llu/bn