Mísseis russos voltam a cair sobre Kiev

Rússia retoma ofensiva aérea na Ucrânia. Mais de 80 mísseis terão sido disparados esta terça-feira. O alerta foi ativado em todo o país e a Força Aérea ucraniana diz a situação nas instalações energéticas é "crítica".O presidente da Ucrânia Volodymyr Zelenskyy pediu à população para que permaneça abrigada e garantiu que os técnicos estão a trabalhar para restabelecer a energia.

Há registo de ataques em 12 regiões diferentes, incluindo Kiev e Kharkiv, as duas maiores cidades, e Lviv, perto da fronteira com a Polónia.

Euronews
Registo ucraniano de regiões atacadas com mísseis russos esta terça-feira - Euronews

O governo ucraniano diz que os mísseis danificaram sobretudo a rede elétrica, já seriamente comprometida, mas atingiram também vários edifícios residenciais, incluindo na capital.

Ucrânia envia novo recado para o G20

Kiev pede uma "reação de princípio" do G20. O ministro ucraniano dos negócios Estrangeiros envia também uma mensagem para os líderes reunidos em Bali. Dmytro Kuleba considera que o ataque é a resposta da Rússia sobre negociações de paz e pede que "parem de propor que a Ucrânia aceite ultimatos russos".

Nova retirada russa no sul da Ucrânia

O barulho dos bombardeamentos contrasta com o silêncio de Nova Kakhovka. A cidade está ainda sob ocupação russa, mas foi evacuada esta terça-feira, face ao avanço das tropas ucranianas.

Moscovo continua a difundir uma visão alternativa da guerra. De acordo com o ministério russo da Defesa, a operação corre conforme planeado e as tropas fizeram progressos na província de Donetsk, com novas localidades libertadas.

É o contrario do que acontece em Kherson. A retirada das tropas russas permitiu que famílias separadas pela guerra se reencontrassem. O conflito não terminou, mas nos gestos destes ucranianos cada abraço é uma vitória.