Míssil russo atinge prédio residencial na Ucrânia, matando 19 pessoas

Mísseis russos atingiram um prédio residencial de 14 andares e um centro recreativo a cerca de 80 km da cidade ucraniana de Odessa, às margens do Mar Negro, no momento em que Moscou intensifica seus ataques contra infraestruturas civis. Ao menos 19 pessoas morreram e dezenas outras ficaram feridas um dia depois de as forças russas abandonarem a Ilha da Cobra, ponto estratégico a cerca de 160 km ao sul de Odessa.

Guerra na Ucrânia: Rússia anuncia retirada de tropas da Ilha da Cobra, ponto estratégico no Mar Negro

Retórica mais próxima à da Guerra Fria: Nova estratégia da Otan cita China como desafio pela primeira vez e chama Rússia de 'ameaça direta'

De acordo com as autoridades locais, 16 pessoas morreram no prédio e as outras três no centro recreativo da cidade próxima de Bilhorod-Dnistrovsky, incluindo duas crianças. Há ao menos 37 pessoas internadas. Os trabalhos de resgate no edifício terminaram horas após o ataque, que ocorreu por volta de 1h da manhã (19h de terça, no Brasil).

De acordo com funcionários do governo ucraniano, uma seção do prédio foi destruída entre seu primeiro e nono andar. Antes da guerra, o edifício abrigava cerca de 100 pessoas. O centro recreativo, por sua vez, ficou danificado. O governo russo negou mais uma vez que esteja mirando propositalmente em infraestruturas civis:

— Gostaria de lembrá-los mais uma vez das palavras do presidente da Rússia e comandante [Vladimir Putin]: as Forças Armadas não estão trabalhando contra alvos civis nesta operação militar especial — disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, usando a expressão adotada pelos russos para se referir à invasão.

144 libertados: Ucrânia anuncia maior troca de prisioneiros de guerra desde o início da invasão da Rússia

Resposta de Moscou: Putin acusa Otan de ter 'ambições imperiais' com a guerra na Ucrânia

Os alvos russo, disse Peskov, incluem armazéns de armas, prédios militares e locais onde “mercenários estrangeiros” e “elementos nacionalistas” treinam e se abrigam.

O ataque, na prática, põe um ponto final nas esperanças de que a Rússia vá de fato acabar com o bloqueio dos portos ucranianos, que inclui o posicionamento de minas navais em pontos de passagem de embarcações. Com isso, os russos são desde o início do conflito acusados de barrarem a saída de navios com exportações de grãos ucranianos.

O Kremlin nega tais acusações e culpa os próprios ucranianos pela impossibilidade de manter os níveis de exportações de alimentos, que são enviados para dezenas de países ao redor do mundo. A escassez é considerada pela ONU um risco à segurança alimentar de milhões de pessoas e faz o preço dos grãos dispararem pelo planeta.

Na quinta, o porta-voz do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, havia dito que a saída russa da Ilha da Cobra foi um “sinal de boa vontade” justamente para facilitar a exportação de grãos. Os ucranianos rejeitaram a justificativa:

“O terror é uma tática comum da Rússia”, disse Kyrylo Tymoshenko, um dos porta-vozes do Gabinete do presidente Volodymyr Zelensky, no Telegram. “Primeiro, encobrem seus atos criminosos como ‘ações benevolentes’. Depois, lançam mísseis contra nossas cidades pacíficas”, completou.

A ilha é um território estratégico de 0,15 km² que estava sob controle de Moscou desde 24 de fevereiro, o primeiro dia da invasão. Sua importância é geográfica: fica a 33 km da costa da região de Odessa, que abriga o maior porto da Ucrânia, e a 300 km da costa da Crimeia, península no Mar Negro anexada pela Rússia em 2014.

Destruição: Imagem de satélite mostra danos à Ilha da Cobra, onde soldados ucranianos xingaram russos e foram bombardeados

Quando a guerra começou, um grupo de 13 patrulheiros de Kiev que faziam a segurança da ilha foi abordado por um navio russo, com quem supostamente travaram um diálogo que rodou o mundo. Os soldados de Moscou teriam avisado que os ucranianos deveriam se render, ou seriam bombardeados. A resposta teria sido “navio russo, vá se foder”.

O suposto autor da frase foi preso, mas solto em março como parte de uma troca de prisioneiros entre Moscou e Kiev. Posteriormente, recebeu uma medalha do governo de Zelensky.

A destruição perto de Odessa, por sua vez, vem após dias de ataques russos que atingiram infraestruturas civis por todo o território ucraniano, incluindo um shopping na cidade de Kremenchuk, no Centro do país. O prédio ficou destruído e mais de 20 pessoas morreram.

No último fim de semana, mais de 40 mísseis foram lançados contra o território ucraniano, incluindo um que atingiu um prédio residencial em Kiev. O ataque desta sexta, disse o governo alemão, foi “desumano”:

— O governo federal condena o ataque com mísseis do Exército russo — disse o porta-voz do governo liderado pelo chanceler Olaf Scholz, Steffen Hebestreit. — A parte russa, que fala novamente de danos colaterais, é desumana e cínica (...). Isso nos mostra mais uma vez, de forma cruel, que o agressor russo aceita deliberadamente a morte de civis.

Os ataques intensificaram os apelos perpétuos de Zelensky e sua alta cúpula por mais armas e sistemas de defesa ocidentais, já que os ucranianos esgotaram seu arsenal e agora dependem exclusivamente dos aliados. No dia 23, o país recebeu o poderoso Sistema Americano de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade (Himars, na sigla em inglês).

A arma, capaz de disparar foguetes guiados por satélite capazes de atingir alvos a até 80 km de distância, era pleiteada há meses pelo governo do presidente Volodymyr Zelensky. Ainda assim, a necessidade de treinar os ucranianos para o uso das tecnologias ocidentais e o temor de que sejam usadas para atacar diretamente o território russo faz com que o fluxo fique aquém do desejado por Kiev.

“Para proteger a população, precisamos de sistemas anti-mísseis”, disse Mykhailo Podolyak, um dos conselheiros de Kiev, onde a crença é que Moscou vá intensificar novamente sua operação diante dos avanços no Leste.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos