'Música, orgasmo e Deus são as melhores coisas da vida', disse Erasmo Carlos em entrevista ao GLOBO nos seus 80 anos

O cantor e compositor Erasmo Carlos faleceu nesta terça-feira (22), aos 81 anos. Ele estava internado desde ontem no Hospital Barra D’or, na Barra da Tijuca, no Rio, quando chegou a ser intubado. No início do mês, o artista comemorou a alta após duas semanas de internação no mesmo hospital para realizar exames e tratar uma síndrome edemigênica.

Despedida: Morre o cantor Erasmo Carlos, aos 81 anos

Erasmo Carlos: Famosos e amigos lamentam morte do 'Tremendão'

'Único para mim': Falecido em acidente de moto, filho mais velho de Erasmo Carlos deixou carta para o pai

Em junho de 2021, logo após comemorar 80 anos, Erasmo falou ao GLOBO sobre sua vida, carreira e a luta contra um câncer no fígado.

— Tem sempre um negocinho que chega e depois vai embora... nessa idade o corpo cobra os exageros cometidos durante a vida e você tem que pagar. E, como sou honesto, estou em dia com os pagamentos — disse Erasmo à época. — Bicho, conseguimos chegar aos 80, somos uma geração de sobreviventes! Essa geração passou por muitas armadilhas, por muito problema, muito pantanal, muita areia movediça... Pelas drogas, pelas guerras... E conseguiu sobreviver com dignidade. Conseguiu sair de cabeça erguida das situações.

Amizade histórica: Em autobiografia, Erasmo Carlos disse que brigou com Roberto apenas uma vez

Na conversa, Erasmo revelou não ser uma pessoa saudosista, que perde o tempo querendo a volta dos velhos tempos.

— Lembro dos bons momentos, mas não que eu queira que eles voltem, não sou saudosista, de chorar por causa da Jovem Guarda que era tão bonita... As músicas é que me fazem chorar, as harmonias e melodias me comovem muito, tomam conta de mim. A música, o orgasmo e Deus são as três melhores coisas da vida.

Lula homenageia Erasmo Carlos após morte do cantor: 'amigo de fé, irmão camarada'

O artista também falou sobre seu processo de desconstrução e evolução, buscando deixar para trás coisas de seu passado.

— (Do início da carreira para cá) o homem se desconstruiu, mas muito pouco... E só os homens mais informados. O que a minha geração conhecia era o patriarcado. Acho que me libertei de muitas coisas, mas sobraram algumas que, com o tempo, pretendo mudar. Quando eu tiver 150 anos vou estar melhor.

Leia a íntegra da entrevista que Erasmo Carlos deu nos seus 80 anos.