Música para a esperança: do Complexo Maré ao Vaticano

Em 2013, as lágrimas de Débora Santos caíam como a chuva que a impediu de tocar para o papa Francisco no Rio. Quatro anos depois, ela chora de alegria com a ideia de voar para Roma. Junto à Orquestra Maré do Amanhã, nascida dentro de um projeto social fundado em 2010 em uma das favelas mais violentas do Brasil, a violoncelista de 18 anos tocará no Vaticano no próximo sábado.