De M1CO a M1TO: Rogério Ceni devolve o Fortaleza à Série A e dá volta por cima

Paulo Amaral
Rogério Ceni tem realizado excelente trabalho no Fortaleza.

Do M1CO ao M1TO: Assim pode ser rotulada a ainda curta carreira do ex-goleiro Rogério Ceni como treinador de futebol.

Maior jogador da história do São Paulo, Rogério Ceni apostou em sua idolatria para dar início à carreira de treinador no time do coração. Deixou o Morumbi com a imagem arranhada após não conseguir repetir com a prancheta o que fez em seus tempos de atleta.

Cerca de um ano e meio após ser demitido pelo tricolor e um ano depois de assumir o comando do Fortaleza, no entanto, Ceni começa a mostrar que tem tudo para se tornar um M1TO também como comandante.

Em sua segunda experiência como técnico, agora no comando de outro tricolor, o ex-goleiro alcançou um feito impressionante: Classificou o Fortaleza para a elite do futebol brasileiro após 12 anos de ausência. E com 4 rodadas de antecipação (confira a tabela aqui).

A festa pode ser ainda maior, já que faltam 3 jogos para o encerramento da Série B e o título, que ficou muito perto, mas escapou após o empate por 1 a 1 na partida contra o vice-líder CSA nesta terça-feira (6), parece ser apenas uma questão de tempo.

Pelo discurso, Rogério Ceni não pensa em fazer história no Centenário do Fortaleza "só" com a conquista do acesso. O ex-goleiro quer a taça para deixar definitivamente seu nome marcado na galeria de ídolos do clube cearense.

"Subir foi incrível, um feito histórico. Vamos comemorar muito, mas voltar ao trabalho porque nós queremos buscar o título. Ser campeão é sempre marcante porque é difícil ser campeão. Eu mesmo disputei 19 Campeonatos Brasileiros como jogador e só consegui três. O título vai ser fundamental para todos", disse, após o jogo de terça.

A próxima oportunidade de confirmar a taça está marcada para o sábado (10), em Florianópolis, diante do Avaí. E a tarefa não será fácil, já que o time catarinense está na 4ª posição, com 57 pontos, e também precisa da vitória para seguir na luta pelo acesso à elite nacional...

Continue a ler no HuffPost