'Maçã podre', 'laranja', manobras: Lauro Jardim e Malu Gaspar revelam as brigas nos bastidores tucanos

·1 min de leitura

RIO — Além do fracasso da votação por meio de um aplicativo das prévias tucanas para a escolha do candidato do partido à presidência, o PSDB enfrenta um racha entre as principais lideranças, ataques entre os filiados e problemas que deixaram de ser tratados internamente para serem discutidos nas redes sociais e em declarações públicas. Dois dos principais nomes da sigla, Aécio Neves (MG) e Arthur Virigílio (AM) trocaram farpas após o dia de votação.

Em meio ao fiasco das prévias do PSDB, o pré-candidato a presidente da República Arthur Virgílio atacou Aécio Neves. Publicamente, Virgílio mencionou apenas os votos que parte do partido vem dando a pautas bolsonaristas no Congresso Nacional. Para ele e para João Doria, Aécio trabalhou para melar as prévias, para que o PSDB não tenha candidato e possa aderir à campanha de Jair Bolsonaro mais adiante.

Aécio resolveu responder aos ataques feitos por Virgílio, que no meio da confusão das prévias fracassadas usou adjetivos pouco amigáveis para um colega de partido. Irônico, Aécio disse que quando encontrar Virgílio terá com ele "uma conversa no pomar". A relação entre Doria e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, que já vinha de um desgaste por conta da campanha interna, piorou. Os dois subiram o tom das críticas em meio a discussão no partido sobre o que será feito para apaziguar a situação.

Saiba quem foi chamado de maçã podre e laranja, e entenda a disputa interna no PSDB.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos