MAC volta a receber exposições e é cenário de lives musicais

O Globo
·2 minuto de leitura

NITERÓI - Um dos principais cartões-postais da cidade, o Museu de Arte Contemporânea (MAC) acaba de retornar com as exposições em seu interior, interrompidas na pandemia. Seguindo os protocolos sanitários, a instalação tecnológica “im.fusion” foi aberta ao público, nesta sexta-feira, com a proposta de reflexão sobre a interação com diferentes ambientes e contextos. Para respeitar o distanciamento social, apenas seis pessoas são admitidas por sessão.

Do micro ao macro, três cenários são explorados na exposição. A experiência começa pelo “contato” com moléculas, depois segue para a diversidade de uma floresta e, por fim, explora a imensidão do universo. Em 12 minutos, os visitantes estão imersos em formas coloridas, interagindo por meio de sensores com projeções plenas de efeitos especiais — gráficos e sonoros. A tecnologia utilizada não requer contato físico.

¨— O desenvolvimento de novas tecnologias e as conquistas científicas têm impactado a forma como nos relacionamos com a natureza. Ao mesmo tempo que manipulamos formas diminutas, como vírus e bactérias, exploramos imensidões como a Lua ou Marte. Essas relações inspiraram a criação da instalação— explica Felipe Reif, um dos idealizadores da experiência, criada por mais de dez pessoas entre Brasil, Chile e Estados Unidos.

Com ingressos a R$ 12 (inteira), a exposição fica aberta ao público até o dia 28, e as visitas podem ser feitas de terça-feira a domingo, das 10h às 18h.

Festival de verão

Versátil, o equipamento cultural, que é um dos marcos arquitetônicos de Niterói, também serve de palco para apresentações musicais transmitidas pela internet. O Festival de Verão do projeto Estação Guanabara será realizado aos sábados deste mês, às 17h, com lives gravadas no MAC, regadas a muito samba.

Cada semana o público vai conferir um show diferente no canal do YouTube Estação Guanabara. Neste sábnado quem comanda a roda é o grupo Samba no prato; semana que vem, o grupo Filhos de Oxossi se apresenta; dia 20 será a vez do Rio e Seus Baluartes — Tributo a Roberto Ribeiro; e no dia 29 o festival encerra as apresentações com Mulheres de Zeca, bloco criado pela cantora Dorina.

A adaptação do evento — lançado em maio de 2019 no Caminho Niemeyer — para o formato virtual é uma proposta oriunda da Lei Aldir Blanc, do edital Retomada Cultural, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa e do governo federal.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)