Macron não aceita renúncia da primeira-ministra francesa após fracasso eleitoral

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A primeira-ministra francesa, Elisabeth Borne, apresentou o pedido de renúncia ao presidente Emmanuel Macron depois que o partido governista perdeu a maioria absoluta no Parlamento nas eleições legislativas de domingo, mas o chefe de Estado não aceitou, anunciou a presidência nesta terça-feira.

De acordo com o Palácio do Eliseu, o presidente deseja que o governo "continue trabalhando e agindo". Com este objetivo, Macron vai fazer as "consultas necessárias" com outros partidos de oposição para apresentar "soluções construtivas".

Borne vai reunir o ministério nesta terça-feira.

A coalizão Juntos!, de Macron, conquistou 245 das 577 cadeiras da Assembleia Nacional (Câmara Baixa), ou seja, 44 a menos que o necessário para continuar com a maioria absoluta.

A frente de esquerda, com a sigla Nupes, que reúne a esquerda radical, ecologistas, comunistas e socialistas, conquistou 137 cadeiras e o partido de extrema-direita Reagrupamento Nacional (RN), de Marine Le Pen, 89, resultado que multiplica por 11 o número de deputados obtidos pela formação em 2017.

el-jri/cs/sp/bl/mis/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos