Macron pede evacuação de Mariupol, e Putin diz que Ocidente deve parar de enviar armas a Kiev

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente francês, Emmanuel Macron, teve uma longa conversa telefônica com o líder russo, Vladimir Putin, nesta terça-feira (3). O representante de Paris pediu que o complexo metalúrgico de Azovsal possa ser evacuado. Mas Putin se mostrou inflexível e disse que os países ocidentais devem parar de fornecer armas para Kiev.

Durante mais de 2 horas Macron tentou convencer Putin a aceitar a retirada das pessoas que permanecem na usina de Azovstal, último reduto da resistência ucraniana na cidade portuária do sul de Donbass, região totalmente controlada por forças russas.

O presidente francês disse que essa retirada deve ser efetuada "de forma coordenada com os serviços humanitários e possibilitando que as pessoas escolham para onde querem ir, como manda o direito internacional humanitário". A conversa aconteceu no momento em que o exército russo lançava mais uma ofensiva contra a usina.

Essa foi a primeira discussão telefônica entre os dois chefes de Estado desde 29 de março e a descoberta do massacre de Bucha, episódio duramente criticado pelo presidente francês e boa parte da comunidade internacional. Macron também conversou com telefone no sábado (1°) com o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Macron “exprimiu novamente sua profunda preocupação com Mariupol e a situação no Donbass”, informou o Palácio do Eliseu. Segundo Paris, o presidente insistiu novamente na necessidade de um cessar-fogo e se disse disposto a “atuar por uma solução negociada visando permitir a paz e o respeito da soberania e da integridade territorial da Ucrânia".

(Com informações da AFP)


Leia mais

Leia também:
Rússia cobra da Otan a suspensão de envio de armas à Ucrânia
Por que a Rússia tenta justificar guerra da Ucrânia com combate ao nazismo?
Guerra na Ucrânia: Nancy Pelosi visita Kiev para reforçar apoio americano

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos