Macron promete dobrar presença de policiais na França em 10 anos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
O presidente francês, Emmanuel Macron, faz um discurso durante sua visita à academia de polícia de Roubaix, no norte da França (AFP/Ludovic MARIN)
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O presidente francês, Emmanuel Macron, expressou nesta terça-feira (14) sua intenção de dobrar a presença de policiais e gendarmes na França em uma década, ao fim de um debate sobre segurança iniciado em fevereiro devido aos incômodos dos agentes e após vários escândalos.

Em Roubaix (norte) e a sete meses da eleição presidencial, o chefe de Estado afirmou querer "mais azul nas ruas", em referência aos policiais, e anunciou um aumento de 500 milhões de euros (591 milhões de dólares) para o ministério do Interior em 2022.

Esses anúncios fecharam o chamado "Beauvau da segurança", uma ampla consulta iniciada em fevereiro após o confronto de policiais com um produtor de música negro. O caso, que remonta a novembro, reacendeu o debate sobre o racismo e a violência policial.

O próprio presidente francês reconheceu a existência da "violência policial", em declarações que incendiaram os sindicatos policiais. A realização desses encontros foi decidida para responder à indignação dos agentes.

Macron anunciou também a criação de um centro de treinamento sobre a manutenção da ordem, especialmente quando a atuação da polícia nos últimos anos foi muito criticada, principalmente durante os protestos sociais dos "coletes amarelos".

Outras das propostas são uma "drástica simplificação" para realizar as investigações e a possibilidade de fazer denúncias online a partir de 2023, assim como permitir que deputados e senadores possam avaliar as forças de ordem.

Para colocar essas promessas em prática, o presidente centrista anunciou a elaboração de uma lei que será apresentada no início de 2022, mas que não poderá ser aprovada em seu mandato atual, que termina em meados de maio.

Em plena pré-campanha eleitoral, os anúncios de Macron - que ainda não confirmou se vai concorrer à reeleição - receberam críticas da esquerda e da direita. "Um discurso de candidato", disse o presidenciável de direita Xavier Bertrand.

burs-tjc/es/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos