Maduro denuncia que Guaidó se reuniu com ex-boina verdepara planejar "invasão

O presidente de Venezuela, Nicolás Maduro, 13 de março de 2020 em Caracas

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, denunciou nesta quarta-feira que o líder da oposição Juan Guaidó e o ex-boina verde Jordan Goudreau se reuniram na Casa Branca para planejar um ataque marítimo fracassado no país.

"Foi na Casa Branca em 4 de fevereiro deste ano de 2020, onde Juan Guaidó se encontrou com Jordan Goudreau," fundador da empresa de segurança e defesa privada Silvercorp USA", por ordem de Donald Trump para articular o plano ataque", disse Maduro.

O governante sustenta que "é muito fácil verificar" a presença de Goudreau na Casa Branca entre 2019 e 2020 e "em que sala ele se encontrou com Guaidó", líder da oposição no Parlamento e reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de cinquenta países, entre eles os Estados Unidos.

Goudreau, nessa reunião, foi "ratificado como chefe militar" de uma "invasão" frustrada que o governo venezuelano disse ter interceptado em 3 e 4 de maio nas cidades costeiras de Macuto e Chuao (norte), destacou na terça-feira o ministro da Comunicação, Jorge Rodríguez.

O encontro, segundo Rodríguez, ocorreu em um momento em que Guaidó, contornando a proibição de deixar o país, estava em uma viagem pela Colômbia, Europa, Canadá e Estados Unidos, onde foi recebido pelo presidente Trump, que então prometeu "esmagar" o " tirania "de Maduro.

As acusações são baseadas em um vídeo no qual o capitão dissidente Antonio Sequea, detido no ataque, fala sobre a suposta reunião na Casa Branca.

Sequea fazia parte de um grupo de trinta militares que participaram de uma insurreição frustrada contra Maduro em 30 de abril de 2019, liderada por Guaidó.

Segundo o governo venezuelano, Guaidó assinou contrato com a Silvercorp USA para realizar a incursão que buscava a "captura, prisão e remoção" de Maduro e a "instalação" do oponente à frente do governo.

Guaidó, que inicialmente chamou o contrato de "falso", denunciou na sexta-feira que o governo chavista está buscando "desculpas" para detê-lo.

Trump negou a suposta conspiração, afirmando que se os Estados Unidos realizassem uma "invasão", "isso não seria feito em segredo".