Moldávia expulsa 3 diplomatas russos por caso de ex-espião envenenado

Moscou, 27 mar (EFE).- A Moldávia anunciou nesta terça-feira a expulsão de três diplomatas russos em resposta ao envenenamento do ex-espião russo Sergei Skripal e de sua filha, incidente do qual Londres culpa a Rússia.

"A decisão das autoridades da República da Moldávia chega em solidariedade com o Reino Unido e seguindo as conclusões do Conselho Europeu de 23 e 24 de março, que considera o ataque de Salisbury uma ameaça à segurança coletiva e à legalidade internacional", afirmou um comunicado do Ministério das Relações Exteriores moldavo.

Além disso, a Chancelaria moldava convocou o embaixador russo no país, Farit Muhametshin, para notificá-lo sobre a medida.

A decisão do governo de Chisinau foi imediatamente contestada pelo presidente moldavo, o pró-Rússia Igor Dodon, que se mostrou "totalmente indignado".

"Me sinto totalmente indignado com a decisão do governo da Moldávia sobre a expulsão de diplomatas russos. Condeno categoricamente esta nova provocação anti-Rússia. A Moldávia não tem nenhuma obrigação de aliado com o Reino Unido e outros países da Otan para tomar esses passos", escreveu Dodon na sua página do Facebook.

Dodon foi eleito presidente da Moldávia no final de 2016 com o compromisso de afastar o país da União Europeia (UE), e desde então enfrenta o governo europeísta que comanda a nação. EFE