Mãe que matou filhas tinha intenção de cometer crime há meses e tentou comprar arma

Mãe matou as duas filhas em casa em cidade goiana - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Mãe matou as duas filhas em casa em cidade goiana - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Mãe matou as duas filhas crianças de forma brutal em Edéia, Goiás

  • Criminosa admitiu que tinha o desejo de assassiná-las há meses

  • Ela chegou a tentar comprar uma arma para facilitar o trabalho

A mulher que confessou ter matado suas duas filhas em Edéia, Goiás, revelou em depoimento à polícia que tinha a intenção de cometer o crime há meses e chegou a tentar comprar uma arma para "facilitar" o trabalho.

Izadora Alves de Faria, de 30 anos, assassinou Maria Alice, de 6, e Lavínia, 10, envenenadas, afogadas e esfaqueadas na última terça-feira (27), antes de tentar cometer suicídio.

“Com arma de fogo, segundo ela, ela cometeria os homicídios e tiraria a própria vida de forma mais rápida. Facilitaria [o crime], nesse sentido”, relatou ao g1 o delegado responsável pelo caso, Daniel Moura.

No dia 27 de julho, Izadora chegou a compartilhar nas redes sociais um laudo psicológico que a considerava apta a manusear armas de fogo. Um dia depois, publicou prints em que aparecia conversando com despachantes de arma de fogo.

Segundo o delegado Moura, a criminosa não teve acesso a armas, mas não foi esclarecido o motivo. À polícia, a mulher admitiu que já tinha a intenção de matar as filhas, mas não soube explicar quando e por que este desejo surgiu.

Após prestar depoimento, Izadora foi levada ao presídio de Israelândia na última quarta-feira (28). Ela confessou que deu veneno às crianças, tentou eletrocutá-las em uma caixa d'água, afogou-as na sequência e ainda desferiu facadas para certificar-se de que haviam morrido.

Ao ser ouvida, a criminosa não demonstrou arrependimento e disse considerar que os assassinatos "fizeram bem" às crianças.

Entenda o caso

O crime foi cometido na residência da família, na última terça-feira (27), e os corpos das criança foram localizados pelo pai. Eles estavam sobre um colchão na garagem de casa.

Izadora foi encontrada horas depois do crime com sinais de tentativa de suicídio. Ferida, ela foi levada a um hospital da cidade, onde ficou sob escolta policial.

As causas das mortes das crianças ainda serão confirmadas após análise dos corpos pela polícia científica, e a investigação tenta determinar o que levou a mãe a cometer os crimes.

Em depoimento, o pai das garotas contou que havia tido uma briga com a esposa um dia antes do episódio. Nela, Izadora teria ameaçado matar as filhas e tirar a própria vida.

“O pai falou que o relacionamento dos dois estava conturbado e ela precisava fazer tratamento psiquiátrico porque não estava bem”, relatou o delegado.

A criminosa deve responder por homicídio qualificado, com aumento de pena pelo fato de as vítimas serem menores de 14 anos e filhas dela. Se condenada, pode pegar até 100 anos de prisão.