Magnata é condenado a prisão perpétua por matar melhor amiga

·3 min de leitura
Magnata americano condenado à prisão perpétua por matar melhor amiga. Foto: Al Seib-Pool/Getty Images
Magnata americano condenado à prisão perpétua por matar melhor amiga. Foto: Al Seib-Pool/Getty Images
  • Robert Durst, magnata do mercado imobiliário, foi condenado à prisão perpétua;

  • Condenação ocorreu por conta de assassinato de escritora no ano 2000;

  • Incriminação do magnata ocorreu por confissão em documentário da HBO.

O magnata americano do mercado imobiliário Robert Durst foi condenado à prisão perpétua, sem possibilidade de liberdade condicional, em um tribunal de Los Angeles, pelo assassinato de sua melhor amiga, a escritora Susan Berman, em 2000, em Beverly Hills, segundo informações da AFP.

Durst, um bilionário norte-americano que foi tema do explosivo documentário da HBO “The Jinx”, sempre negou ter atirado em Susan Berman na nuca em 2000 na casa da escritora para impedi-la de ir à polícia e testemunhar sobre o desaparecimento da esposa do magnata na época.

Leia também:

Mas dessa vez, um júri, após um ano paralisado por conta da pandemia, o considerou culpado em setembro. Os promotores dizem que Durst assassinou Berman em dezembro de 2000 para evitar que ela fosse interrogada pela Polícia de Nova York sobre o desaparecimento da esposa do magnata, Kathleen McCormack, em 1982.

"Este crime foi contra uma testemunha de assassinato", afirmou o juiz Mark Windham antes de proferir a sentença em um auditório lotado. "Esta circunstância especial agrava tremendamente este crime horrível", acrescentou.

O juiz rejeitou o pedido da defesa para um novo julgamento. "Há evidências suficientes, na verdade, avassaladoras de culpa", garantiu. O juiz também ouviu parentes da escritora. "Todos os nossos planos foram destruídos. Você também me matou, quem eu era", acusou Sareb Kaufman, filho de Susan Berman, em lágrimas.

Durst, embora afastado, faz parte de uma das famílias mais ricas das poderosas dinastias imobiliárias de Nova York. Durante a audiência, ele permaneceu praticamente imóvel em sua cadeira de rodas. Susan Berman, filha de um mafioso de Las Vegas, foi a porta-voz do empresário desde que ele se tornou suspeito pelo desaparecimento da esposa.

O magnata nunca chegou a ser acusado formalmente pelo desaparecimento da esposa, mas foi preso em 2015 em um hotel de Nova Orleans pelo assassinato de Berman, horas depois que o último episódio do documentário da HBO "The Jinx: A Vida e as Mortes de Robert Durst" foi ao ar.

Na conclusão do documentário, Durst murmura: "Pronto, te pegaram", e "Matar todos, claro", aparentemente sem perceber que um microfone de lapela continuava ligado enquanto ele fazia uma pausa na gravação para ir ao banheiro.A série da HBO também aborda o assassinato do vizinho de Durst no Texas em 2001, que foi encontrado desmembrado.

Ele admitiu ter esquartejado o vizinho, mas afirmou que o assassinato foi em legítima defesa. As acusações foram retiradas. A equipe do documentário também confrontou o magnata com uma carta manuscrita que ele havia enviado a Berman, muito semelhante à nota enigmática e anônima que a polícia recebeu sobre a localização do corpo da escritora.

Quando o julgamento começou no ano passado, a defesa de Durst afirmou inicialmente que seu cliente havia enviado a nota à polícia depois de encontrar o corpo de Berman e entrar em pânico, mas que isso não significava que ele havia matado a amiga, mas as alegações não foram aceitas pelo júri.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos