Magnata pró-democracia Jimmy Lai desafia lei de Segurança Nacional em Hong Kong

·1 minuto de leitura
O magnataJimmy Lai (centro) chega ao tribunal de apelação de Hong Kong em 31 de dezembro de 2020

A defesa do magnata pró-democracia Jimmy Lai tentou obter sua fiança nesta segunda-feira (1), em um tribunal de Hong Kong, na primeira tentativa de se opor legalmente à lei de segurança nacional imposta por Pequim no território semiautônomo.

Esta ação pode se tornar um marco e pôr em discussão a independência judicial de Hong Kong, em um contexto no qual Pequim tenta silenciar qualquer movimento de protesto.

Jimmy Lai, de 73 anos, dono do jornal Apple Daily, é um dos 100 ativistas pró-democracia detidos em virtude dessa lei que entrou em vigor no final de junho. Ele é uma das figuras mais conhecidas do movimento que foram detidas antes de seu julgamento.

O magnata é acusado de "conluio com potências estrangeiras", considerado crime pela lei de segurança nacional, assim como por pedir a governos estrangeiros que punam Hong Kong e China em resposta às políticas de Pequim no território semiautônomo.

Essa legislação é a mudança mais importante nas relações entre Pequim e Hong Kong desde a devolução da ex-colônia britânica à China em 1997.

O texto criminaliza uma série de opiniões políticas e rompe algumas das barreiras legais que até agora separavam Hong Kong da China continental.

Lai foi preso em dezembro passado. Inicialmente, um tribunal lhe concedeu liberdade sob fiança, com condições muito estritas, incluindo detenção domiciliar e proibição de se expressar nas redes sociais.

Alguns dias depois, porém, o tribunal superior de Hong Kong decidiu mandá-lo de volta para a prisão até a audiência desta semana.

jta-su/rma/juf/pz/pc/es/tt