Maia, Alcolumbre e centrão saem em defesa de Ramos em meio a embate com ala ideológica do governo

Por Eduardo Simões
·2 minuto de leitura
Ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, durante cerimônia no Palácio do Planalto
Ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, durante cerimônia no Palácio do Planalto

Por Eduardo Simões

(Reuters) - Os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), assim como lideranças do centrão, saíram neste sábado em defesa do ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, após ele tornar-se alvo de ataques da ala ideológica do governo Jair Bolsonaro, iniciados pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

O embate, que teve as redes sociais como palco, começou na quinta-feira, quando Salles afirmou no Twitter que Ramos tem uma postura de "Maria Fofoca", ao citar uma nota do jornal O Globo, que não mencionava Ramos, e que afirmava que Salles "estica a corda com a ala militar do governo".

"@MinLuizRamos, não estiquei a corda com ninguém. Tenho enorme respeito e apreço pela instituição militar. Atuo da forma que entendo correto. Chega dessa postura de #mariafofoca", escreveu Salles, que foi apoiado na sexta-feira por parlamentares governistas da ala ideológica, como o filho do presidente deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e a deputada Bia Kicis (PSL-DF).

Neste sábado, reportagem do jornal Folha de S.Paulo afirmou que o núcleo ideológico do governo pressiona Bolsonaro para trocar Ramos, responsável pela recente aproximação do presidente com parlamentares do centrão e articulador da melhoria das relações de Bolsonaro com o Congresso nos últimos meses.

Maia, também no Twitter, adotou o tom mais duro contra Salles.

"O ministro Ricardo Salles, não satisfeito em destruir o meio ambiente do Brasil, agora resolveu destruir o próprio governo", escreveu.

Mais contido, Alcolumbre, na mesma rede social, exaltou o papel de Ramos na relação com o Congresso e sobre Salles, sem citar nominalmente o titular do Meio Ambiente, afirmou: "Não é saudável que um ministro ofenda publicamente outro ministro. Isto só apequena o governo e faz mal ao Brasil".

Presidente do PP, partido que é a ponta de lança do centrão, o senador Ciro Nogueira (PI), que tem se aproximado bastante de Bolsonaro, disse que o partido "manifesta total apoio" a Ramos.

"Sua atuação tem sido fundamental na construção e estabilidade de uma base sólida no Congresso Nacional", afirmou.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), publicou, também no Twitter, uma foto em que aparece ao lado de Bolsonaro e de Ramos e elogiou o ministro responsável pela articulação política do governo.

"Ministro Ramos competente na articulação política. Ainda ontem, em solenidade no Palácio do Planalto, tratamos do tema da articulação com o presidente Bolsonaro. Entrosado com os líderes do governo e dos partidos na Câmara e no Senado , Ramos está assegurando governabilidade."