Maia e Alcolumbre saem em defesa de Ramos em meio a embate com Salles

Extra
·1 minuto de leitura
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia

Diante da nova briga entre as alas ideológica e militar do governo, exposta após o ataque pelas redes sociais de Ricardo Salles a Luiz Eduardo Ramos, na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro preferiu assumir uma postura diplomática.

A "briga" começou após a publicação de uma nota da colunista do GLOBO, Bela Megale, com um recado enviado pelo Ministro do Meio Ambiente a seu colega de governo, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

Pelo Twitter, Salles disse “ter enorme respeito e apreço pela instituição militar” e que o general deveria deixar de lado a “postura de #mariafofoca”. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, porém, se pronunciou a respeito na manhã deste sábado, pelo Twitter:

"O ministro Ricardo Salles, não satisfeito em destruir o meio ambiente do Brasil, agora resolveu destruir o próprio governo"

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), também saiu em defesa do ministro da Secretaria de Governo.

Em uma publicação no Twitter, Alcolumbre destacou a importância de Ramos para a relação institucional do governo com o Congresso e alfinetou o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, dizendo que "não é saudável" que um ministro ofenda um colega publicamente.

" Sem entrar no mérito da questão, faço duas ressalvas.1.Como chefe do Legislativo, registro a importância do @MinLuizRamos na relação institucional com o Congresso.2.Não é saudável que um ministro ofenda publicamente outro ministro. Isto só apequena o governo e faz mal ao Brasil", escreveu Alcolumbre.