Maia diz que não pode colocar 'mais lenha' e responderá pedidos de impeachment no momento certo

Reuters

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta segunda-feira (1º) que irá decidir no momento certo sobre os pedidos de impeachment apresentados contra o presidente Jair Bolsonaro, mas ressaltou que não se pode colocar mais lenha na fogueira e que está concentrado em tentar unificar o país.

Maia disse, em entrevista por videoconferência ao portal UOL, que evita comentar o assunto por se tratar de “juiz” desse processo, e adiantou que a decisão precisa ser bem avaliada para evitar um acirramento da crise.

“Acho que o tempo é o tempo da política, a gente não pode colocar mais lenha na fogueira”, disse o presidente da Câmara, ao ser questionado sobre os pedidos de impedimento do presidente apresentados à Casa.

“Uma decisão política de um impeachment precisa ser bem avaliada para que a gente não gere mais conflitos e mais desarmonia e mais crise política no Brasil”, afirmou.

Maia voltou a defender que a energia das lideranças políticas do país esteja centrada na busca por unidade e no enfrentamento dos impactos sociais, sanitários e econômicos da crise do coronavírus.

“No momento adequado eu vou decidir”, acrescentou Maia sobre os pedidos de impeachment. “Nossa prioridade deve ser ainda tentar unificar esse país para que a gente possa ter mais forças e melhores condições para enfrentar o vírus em todos os seus aspectos.”

Maia avaliou ainda que as recentes declarações de Bolsonaro, consideradas por ele como fora do tom e com potencial de gerar insegurança e aprofundamento da crise econômica, são coerentes com o perfil de Bolsonaro mesmo antes de ele ser eleito.

“Não dá para decidir desse jeito”, afirmou. “O perfil do presidente não mudou, nós temos que admitir isso. Ele sempre foi um político do enfrentamento”, avaliou o presidente da Câmara, ponderando que era preferível que Bolsonaro adotasse tom mais conciliatório.

Próximos passos

Maia também considerou “um avanço” que...

Continue a ler no HuffPost