Maia reage a Bolsonaro: 'Entre pólvora e maricas, uma economia frágil e um estado às escuras'

Bruno Góes
·1 minuto de leitura
Jorge William
Jorge William

BRASÍLIA — O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reagiu às declarações do presidente Jair Bolsonaro dadas nesta terça-feira. Em duas curtas postagens nas redes sociais, Maia criticou a posição de Bolsonaro sobre a vacina desenvolvida contra a Covid-19, a condução da política econômica do governo, a política externa e o apagão que atingiu o Amapá.

Mais cedo, no Palácio do Planalto, enquanto falava sobre a pandemia, Bolsonaro disse que o Brasil "precisa deixar de ser um país de maricas". Antes, nas redes sociais, após a morte de um voluntário, o presidente comemorou a interrupção de testes da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan.

No mesmo dia, Bolsonaro cogitou o uso de "pólvora" para defender a Amazônia contra possíveis sanções dos Estados Unidos. Ele citou a proposta de Joe Biden, candidato eleito pelo partido democrata, de pressionar o Brasil a combater os incêndios florestais.

"Entre pólvora, maricas e o risco à hiperinflação, temos mais de 160 mil mortos no país, uma economia frágil e um estado às escuras. Em nome da Câmara dos Deputados, reafirmo o nosso compromisso com a vacina, a independência dos órgãos reguladores e com a responsabilidade fiscal", escreveu Maia em suas redes sociais. Em outra postagem, ele acrescentou: "E a todos os parentes e amigos de vítimas da covid-19 a nossa solidariedade".

Nesta terça-feira, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o Brasil pode "ir para uma hiperinflação muito rápido" se não rolar sua dívida interna de modo satisfatório. Ele cobra a realização de privatizações para que o país possa superar a crise.