Maia se esquiva de críticas após declaração de Bolsonaro: 'Não tem relação com processo de impeachment'

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
President of Brazil's Lower House Rodrigo Maia is seen next to Brazil's President Jair Bolsonaro during an inauguration ceremony of the new Communications Minister Fabio Faria (not pictured) at the Planalto Palace, in Brasilia, Brazil June 17, 2020. REUTERS/Adriano Machado
Rodrigo Maia acredita que Câmara deve focar no combate ao coronavírus, não em um processo de impeachment (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

Após a declaração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que gostaria de “encher a boca” de um repórter do jornal O Globo “de porrada”, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), passou a ser alvo de críticas. Nas redes sociais, muitos questionaram porque Maia não levou a cabo nenhum dos mais de 40 pedidos de impeachment contra Bolsonaro.

Em entrevista à Rádio Gaúcha, Maia afirmou que “não tem relação esse caso específico de ontem com nenhum processo de impeachment”. Ou seja, nenhum dos pedidos diz respeito à ameaça feita por Bolsonaro ao repórter. Dessa forma, para ele, as críticas fazem pouco sentido.

No entanto, Rodrigo Maia repreendeu a fala do presidente. “Não é bom. Claro que, muitas vezes, as perguntas que vocês fazem a cada um de nós, a gente não gosta. Mas não cabe uma reação desproporcional como a do presidente ontem”, afirmou. O presidente da Câmara ainda reforçou que é importante respeitas as liberdades de imprensa, de expressão e religiosa, pois “todas elas têm uma importância fundamental em qualquer civilização”.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Na mesma linha do presidente da Ordem os Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, que elogiou os dias “calmos” de Bolsonaro, sem declarações agressivas, Maia disse que queria que os últimos dias foram tranquilos por parte do presidente e seria bom que continuasse assim.

Leia também

Questionado sobre o motivo de não abrir um processo de impeachment contra Bolsonaro, Maia argumentou que não acha que é momento para intensificar a crise política. Para o presidente da Câmara, é momento de a casa focar no combate ao coronavírus.