Maior iceberg do mundo pode derreter completamente nas próximas semanas

Maior iceberg do mundo pode derreter completamente nas próximas semanas (Foto: NASA)
Maior iceberg do mundo pode derreter completamente nas próximas semanas (Foto: NASA)
  • O maior iceberg do mundo, o A-76A, entrou na Passagem de Drake;

  • A via navegável possui uma corrente oceânica que levará o iceberg para águas mais quentes;

  • A-76A viajou cerca de 2.000 km desde que se separou da Península Antártica em 2021.

Uma nova imagem da NASA mostra que o maior iceberg do mundo, o A-76A, entrou na Passagem de Drake, uma via navegável que contém uma corrente oceânica que enviará a gigantesca placa de gelo em uma viagem só de ida para águas mais quentes. O iceberg tem cerca de 135 quilômetros de comprimento, 26 quilômetros de largura.

Em 31 de outubro, o satélite Terra da NASA capturou uma foto do A-76A flutuando na foz da Passagem de Drake, uma hidrovia profunda que conecta os oceanos Pacífico e Atlântico entre o Cabo Horn na África do Sul e as Ilhas Shetland do Sul ao norte do Península Antártica.

A imagem mostra que o iceberg está atualmente entre a Ilha Elefante e as Ilhas Orkney do Sul, mas sua trajetória sugere que ele seguirá mais para o norte da hidrovia nas próximas semanas.

Normalmente, quando os icebergs entram na Passagem de Drake, eles são rapidamente arrastados para o leste por fortes correntes oceânicas. De acordo com a NASA, isso ocorre antes de eles serem levados para o norte em águas mais quentes, onde derretem completamente logo depois.

Até o momento, o A-76A viajou cerca de 2.000 km desde que se separou da Península Antártica em 2021. O iceberg conseguiu evitar uma perda substancial de gelo durante sua jornada até agora. Dados coletados pelo Centro Nacional de Gelo dos EUA em junho revelaram que o A-76A tem quase exatamente o mesmo tamanho de quando se fraturou de seu iceberg-mãe há mais de um ano.

Atualmente, não está claro quanto tempo o A-76A permanecerá na Passagem de Drake, onde terminará e quanto tempo sobreviverá quando as correntes turbulentas arremessarem a massa de gelo para o norte.