Maioria das praias de SP está própria para banho, mas chuva pode mudar quadro

***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, BRASIL, 28.11.2016 - Praia do Balneário Maracanã vista da varanda do empreendimento Residencial Bela Vista, na Praia Grande. (Foto: Reinaldo Canato/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHARPESS) - Quase todas as praias do litoral de São Paulo estão próprias para banho neste último fim de semana do feriadão de Ano Novo, de acordo com monitoramento da Cetesb (Companhia Ambiental de SP). No entanto, as chuvas que devem cair em toda a região podem mudar este cenário, e o turista precisa ficar atento.

Dos 177 pontos monitorados, 166 receberam a bandeira verde da Cetesb, que indica que o banhista pode entrar no mar, de acordo com boletim divulgado nesta quinta-feira (2).

No litoral norte, um dos destinos mais visados por turistas que procuram belezas naturais, São Sebastião tem todas as praias próprias para banho. Dos 19 pontos monitorados de Ilhabela, apenas um, Itaquanduba, é considerado impróprio. Em Ubatuba, na divisa com o Rio de Janeiro, apenas Itaguá é considerado imprópria. Caraguatatuba, por sua vez, também tem apenas um ponto impróprio, Indaiá.

Na baixada santista, há um ponto impróprio em Santos (José Menino), Praia Grande (Maracanã) e Guarujá (Perequê). São Vicente tem duas praias impróprias (Divisa e Milionários), e Mongaguá tem três (Vera Cruz, Agenor de Campos e Flórida Mirim). Itanhaém, Bertioga e Peruíbe têm todas as praias consideradas boas.

No litoral sul, todas as praias de Iguape e Ilha Comprida foram consideradas próprias.

A previsão para este fim de semana, no entanto, é de chuva em toda a região. O Inmet disparou alerta de perigo no litoral norte e de perigo potencial no restante da costa do estado. As chuvas podem alterar a qualidade da água, porque transportam mais rapidamente material que estava nos rios em direção ao mar, e a Cetesb recomenda que, em caso de precipitação forte, os banhistas esperem 24 horas para entrar no mar.

Nadar em áreas impróprias pode causar problemas de saúde, sobretudo doenças gastrointestinais ou de pele, como micoses.

A análise da Cetesb divulgada no boletim desta quinta-feira mostra um retrato da qualidade da água no período em que amostras foram coletadas, neste caso entre 1º e 29 de dezembro.

Reportagem da Folha de dezembro, que levou em consideração as análises da qualidade da água durante todo o ano, mostrou que 29 pontos de monitoramento em todo o estado são considerados péssimos, ou seja, ficam impróprios a maior parte do ano.

Em Ilhabela, por exemplo, nenhuma praia foi considerada boa. Dos 19 pontos de monitoramento, 3 são considerados péssimos e 8, ruins.

Na vizinha São Sebastião, 4 dos 30 pontos monitorados foram classificados como péssimos (ante 1 no ano passado). Já o total de praias boas, 9, se manteve em relação ao ano anterior.

Em Santos, os sete pontos monitorados foram classificados como péssimos. Um dos pontos de medição na praia José Menino, por exemplo, foi classificado como imprópria em 39 das 52 medições.