A maioria dos brasileiros acha que Bolsonaro demorou para comprar vacinas, diz pesquisa feita pelo Senado

·3 minuto de leitura

A maioria dos brasileiros crê que houve uma demora na compra de vacinas no país, atribuindo a culpa principalmente ao presidente Jair Bolsonaro, e avaliando que, se o Brasil tivesse adquirido os imunizantes mais cedo, o número de mortes seria menor. Em geral, os brasileiros têm muito ou um pouco de medo da doença, e avaliam que a vida piorou depois da pandemia. Dentre os que acompanham o trabalho da CPI da Covid no Senado, a maioria acreditam que sua criação foi muito importante para o país. Essas são algumas conclusões de levantamento feito pelo Instituto de Pesquisa DataSenado, que é ligado ao Senado.

De acordo com a pesquisa, 73% acreditam que a compra de vacinas começou muito tarde, 22% no momento certo, e 3% mais cedo do que deveria. Dentre os que acham que houve demora, 74% apontaram o Bolsonaro como principal responsável, e 97% avaliaram que que, se as vacinas tivessem sido compradas antes, o número de mortes seria menor. Cruzando os dados, a pesquisa aponta que mais da metade dos brasileiros acreditam que Bolsonaro demorou a adquirir vacinas.

Foram apontados como responsáveis pelo atraso na compra de vacinas:

- Bolsonaro: 74%

- Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa): 8%

- Congresso: 6%

- governadores: 4%

- outros: 1%

- não souberam ou não responderam: 6%

Os pesquisadores também perguntaram quem é o principal responsável pelo desempenho do país no combate à pandemia, mas sem fazer juízo de valor sobre a qualidade desse trabalho, e o presidente novamente apareceu na frete:

- Bolsonaro: 40%

- a própria população: 32%

- governadores: 12%

- Congresso Nacional: 6%

- prefeitos: 3%

- não souberam ou não responderam: 6%

De acordo com a pesquisa, a maioria acha que, depois da pandemia, a vida está:

- pior: 61%

- igual: 31%

- melhor: 7%

- não souberam ou não responderam: 1%

Na comparação entre 2020 e 2021, mais pessoas acham que este ano está pior do que o passado - 40% - do que os que pensam que houve melhora - 34%.

Questionados se têm medo da doença, os entrevistados responderam:

- muito medo: 42%

- um pouco de medo: 32%

- nenhum medo: 25%

- não souberam ou não responderam: 1%.

Segundo a pesquisa, 73% sabem da existência da CPI. Dentre os que têm conhecimento da comissão, 67% acompanham os trabalhos. E, dentre os que acompanham, 66% dizem que a criação da CPI foi muito importante para o país, 14% acham que foi pouco importante, 19% entendem que não foi nada importante, e 1% não respondeu.

A corrupção na compra de vacinas, que é a principal linha de investigação da CPI no momento, é o assunto mais conhecido dentre os que acompanham a comissão, tendo sido citado por 84%. As denúncias de irregularidade na negociação da Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech, e as tratativas com uma empresa intermediária que dizia ter doses da AstraZeneca foram os pontos mais lembrados.

Na sequência, com 52%, está o uso de remédios sem comprovação científica no tratamento precoce. Em terceiro lugar, a existência do chamado gabinete paralelo para auxiliar o presidente na política de enfrentamento à pandemia, com 48%.

A pesquisa também mostrou que 76% daqueles que têm acompanhado a CPI souberam da prisão do ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias, determinada pelo presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM).

O levantamento ouviu 1471 pessoas de 16 anos ou mais na terça e quarta-feira desta semana, levando em conta critérios como renda, escolaridade, faixa etária, sexo, cor da pele, e região onde vivem. As entrevistas foram feitas por telefone. O nível de confiança da pesquisa é de 95%, e a margem de erro varia de acordo com o tamanho das amostras: vai de 0,2 a 7,2 pontos percentuais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos