Maioria dos latinos apoia democratas, mas republicanos avançam neste eleitorado, diz pesquisa

Mais da metade dos latinos estão inclinados a votar nos democratas nas eleições de meio de mandato em novembro, mas os republicanos conquistam cada vez mais estes eleitores, preocupados com a inflação e o direito ao aborto, segundo uma pequisa publicada nesta quarta-feira (14).

O primeiro levantamento da Pequisa Nacional de Rastreamento, realizada pelo Fundo Educativo da Associação Nacional de Funcionários Latinos Eleitos e Nomeados (Naleo), conclui que 52% dos latinos preferem os democratas e 35% apoiam os republicanos.

No mesmo período de 2018, somente 22% dos eleitores latinos previam votar em republicanos nas eleições legislativas, nas quais serão renovados um terço do Senado e toda a Câmara de Representantes, na metade do mandato presidencial de quatro anos.

Cinquenta e oito por cento dos entrevistados avaliam positivamente o presidente democrata Joe Biden, cuja agenda política, como o cancelamento da dívida estudantil, a proibição de armas de assalto e o apoio ao direito ao aborto, tem forte apoio.

Sobre a comparação da situação nos últimos dois anos, antes de Biden chegar à Casa Branca, 69% acreditam que está igual ou pior. Esta comunidade está muito interessada nas eleições. Se fossem celebradas agora, 63% afirmaram que participariam.

"Há um grande interesse", apesar de mais da metade dos eleitores latinos não terem sido contatados por nenhuma campanha ou partido, afirma Arturo Vargas, diretor-executivo da Naleo.

Os latinos foram afetados de maneira desproporcional pela covid-19, mas agora têm outros temas em mente. Para 48%, a prioridade é a inflação e o aumento do custo de vida. Segue o direito ao aborto (28%), um tema que domina os debates políticos desde que a Corte Suprema dos Estados Unidos o restringiu em junho. Somente 4% demonstraram interesse nele em 2018. O controle das armas e as melhoras salariais são preocupações para 25%.

As diferenças são notórias com relação a 2018, quando a proteção dos migrantes figurava como segundo tema mais importante. Agora ficou relegado à oitava posição. O mesmo ocorreu com a covid-19, principal problema na pesquisa de 2020, que agora gera indiferença.

Os resultados da primeira sondagem "deveriam ser um alerta para ambas as partes", destaca Arturo.

Segundo a pesquisa, as redes sociais desempenham um papel importante como fonte de informação sobre política para os latinos, principalmente o YouTube e o Facebook, além das emissoras de televisão CNN e MSNBC. O canal conservador Fox News é fonte para 30%.

A pesquisa foi realizada de 2 a 11 de setembro entre 400 eleitores latinos, com uma margem de erro de +/-4,9%.

erl/cjc/jc/mvv