Mais de 100 soldados colombianos estão com covid após missão no Egito

·2 minuto de leitura
Soldados colombianos durante exercícios militares em La Guajira, Colômbia, em 18 de abril de 2021

O Exército colombiano informou nesta terça-feira (20) que 120 militares testaram positivo para o novo coronavírus após retornarem de uma missão de paz e segurança no Egito.

Os soldados faziam parte da Força Multinacional de Observadores (FMO), criada a partir dos acordos de paz entre Israel e Egito de 1979, para monitorar a desmilitarização da Península do Sinai.

Ao chegarem à Colômbia, em 6 de abril, 130 integrantes do batalhão foram isolados em uma unidade militar no município de Fusagasugá, no centro do país, onde realizaram testes de covid-19. Foram obtidos 10 resultados negativos e 120 positivos, "por enquanto, sem nenhuma complicação médica", informou a instituição militar em comunicado.

De acordo com os estudos realizados em conjunto com a Universidade de Rosário, nove dos casos correspondem à cepa britânica e os outros, à variante C36, "que, normalmente, circula no Egito", detalha o boletim.

A Colômbia sofre um aumento das infecções e mortes pelo vírus. O governo impôs e intensificou uma série de restrições para conter a terceira onda da pandemia, que deixou o sistema de saúde à beira do colapso.

Embora não tenha relacionado o fato à nova onda de infecções, o Ministério da Saúde informou no sábado que as variantes britânica e brasileira do coronavírus já circulam na Colômbia. Segundo especialistas, a cepa britânica é considerada "preocupante" por causa do seu alto nível de contágio, mas não há evidências de que ela provoque mais mortes ou leve a um estado mais grave do que a cepa original.

A Colômbia registrou 2.667.136 infecções e 68.748 mortes por covid-19 desde que detectou seu primeiro caso, em 6 de março de 2020. Cerca de 3,8 dos 50 milhões de colombianos receberam pelo menos uma dose da vacina contra o novo coronavírus.

dl/vel/llu/ic/lb