Mais de 210 mortos em confrontos entre Armênia e Azerbaijão

Mais de 210 pessoas morreram nos confrontos desta semana entre Armênia e Azerbaijão, os piores combates entre os dois países em dois anos, segundo novos balanços anunciados nesta sexta-feira (16).

As partes se acusam mutuamente de terem provocado os confrontos, que eclodiram na terça-feira, mas foram interrompidos graças à mediação internacional à meia-noite de quinta-feira.

Os dois vizinhos do Cáucaso já se enfrentaram em 2020 pelo controle da disputada região de Nagorno-Karabakh, que resultou em mais de 6.500 mortes e forçou a Armênia a ceder territórios ao Azerbaijão.

Nagorno-Karabakh é um enclave de maioria armênia, que se separou do Azerbaijão com o apoio de Yerevan.

Analistas acreditam que a atual escalada inutilizou os recentes esforços da União Europeia para levar Baku e Yerevan a um acordo de paz.

Nesta sexta, o Azerbaijão revisou seu número de mortos pelos confrontos e o aumentou para 77, seis vítimas mortais a mais que seu balanço anterior.

O primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan informou em reunião de seu governo que "até agora, o número de mortos é 135. Infelizmente, não é o número definitivo. Também há muitos feridos", afirmou.

A defensora pública armênia Kristina Grigoryan anunciou pouco depois que uma pessoa foi morta em um bombardeio do Azerbaijão, que também deixou seis feridos.

"O Azerbaijão ataca moradores pacíficos", disse Grigoryan. Baku negou ser responsável.

- Mediação internacional -

Grigoryan afirmou que os confrontos forçaram centenas de armênios a fugir de suas casas.

É o confronto mais sério desde a guerra de seis semanas entre os dois países em 2020, e ocorre quando a Rússia, aliada próxima da Armênia, está envolvida em quase sete meses de intervenção militar na Ucrânia.

A presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, afirmou nesta sexta que pretende visitar Yerevan neste fim de semana.

Por outro lado, uma delegação da Organização do Tratado de Segurança Coletiva - liderada por Moscou e que reúne ex-repúblicas soviéticas - chegou à capital armênia na noite de quinta-feira, segundo o Ministério da Defesa.

A Armênia é membro desse órgão, mas o Azerbaijão não.

Na terça-feira, o Conselho de Segurança da Armênia solicitou ajuda militar de Moscou, que, por pertencer a esse órgão, teria que defender seu aliado no caso de uma invasão estrangeira.

A Rússia tem sido um mediador tradicional no Cáucaso, mas desde que Moscou invadiu a Ucrânia, a União Europeia tem desempenhado um papel importante na intermediação entre os dois países da região.

Durante as discussões mediadas pela UE em abril e maio, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, e Pashinyan concordaram com novas negociações com vista a um futuro tratado de paz.

Os dois presidentes encontraram-se pela última vez em Bruxelas, no dia 31 de agosto, numa reunião organizada pelo presidente do Conselho Europeu, Charles Michel.

A Armênia e o Azerbaijão travaram duas guerras nas últimas três décadas pelo controle da região de Nagorno-Karabakh.

A população de etnia armênia de Nagorno-Karabakh se separou do Azerbaijão quando a União Soviética entrou em colapso em 1991.

Um primeiro conflito, antes do de 2020, custou cerca de 30.000 vidas.

mkh-im/jm/me/es/mr/aa