Mais de 40 feridos em novos confrontos na Esplanada das Mesquitas de Jerusalém

Palestinos rezam na Esplanada das Mesquitas (AFP/HAZEM BADER) (HAZEM BADER)

Confrontos entre manifestantes palestinos e a polícia de Israel deixaram 42 feridos nesta sexta-feira (29) na Esplanada das Mesquitas, um foco de tensão no centro de Jerusalém, após mais de um mês violência nos Territórios ocupados e em Israel.

"Durante a manhã registramos 42 feridos em confrontos com as forças de ocupação" na Esplanada das Mesquitas, anunciou o Crescente Vermelho Palestino.

Dos 42 feridos, 22 foram levados para um hospital de Jerusalém, "mas nenhum deles se encontra em estado grave", acrescentou a organização.

A polícia israelense afirmou que os agentes da força de segurança atuaram porque "agitadores" lançaram pedras e fogos de artifício na direção do Muro das Lamentações, o local de oração mais sagrado para os judeus, que fica no mesmo recinto.

Um comunicado destaca que os policiais "usaram meios de dispersão de distúrbios" na intervenção. Testemunhas e correspondentes da AFP observaram o uso de gás lacrimogêneo e balas de borracha.

Uma calma relativa dominou o local em seguida, quando milhares de fiéis se reuniram para orar na última sexta-feira do Ramadã, mês de jejum muçulmano que termina no início da próxima semana.

Alguns exibiam bandeiras palestinas e do movimento islamita Hamas.

A tensão aumentou nos últimos dias Esplanada das Mesquitas, considerada o terceiro local sagrado para os muçulmanos e o mais sagrado para os judeus, que utilizam o nome "Monte do Templo".

- Escalada -

Nas últimas duas semanas, quase 300 palestinos ficaram feridos em confrontos na área, localizada na Cidade Antiga de Jerusalém.

A Esplanada das Mesquitas fica na parte leste de Jerusalém, ocupada por Israel desde 1967 e depois anexada. O local sagrado é administrado pela Jordânia, mas o acesso é controlado pelo Estado hebreu.

Os distúrbios acontecem em um cenário de escalada da violência, após quatro ataques desde o fim de março em Israel, que deixaram 14 mortos, incluindo um policial árabe-israelense e dois ucranianos. Dois atentados foram cometidos em Tel-Aviv por palestinos procedentes da Cisjordânia, território ocupado por Israel desde 1967.

Desde então, 26 palestinos e três árabe-israelenses morreram (incluindo os autores dos ataques) em confrontos com as forças de Israel, que efetuaram operações na Cisjordânia ocupada.

Os confrontos aconteceram na sexta-feira da "Jornada de Al-Quds" (Jerusalém em árabe), iniciada pelo Irã após a revolução islâmica de 1979.

Milhares de pessoas participaram em uma manifestação no Irã, grande inimigo do Estado hebreu, em apoio aos palestinos.

- Provocação -

Na quinta-feira à noite, líderes dos movimentos palestinos Hamas e Jihad Islâmica, próximos ao Irã, organizaram uma manifestação em um estádio de Gaza para marcar a jornada e insistiram na necessidade de "defender" Jerusalém e a Esplanada das Mesquitas.

O general Hosein Salami, comandante da Guarda Revolucionária, o exército ideológico iraniano, participou no evento por videoconferência e afirmou que "o Estado de Israel será derrotado".

A presença na Esplanada das Mesquitas durante o Ramadã de um grande número de judeus - que têm permissão para visitar o local sob certas condições e em momentos específicos, mas sem a possibilidade de rezar - e a mobilização de forças de segurança no local sagrado foram consideradas uma "provocação" pelos palestinos e vários países da região.

Mas Israel pretende manter o status quo da Esplanada das Mesquitas em Jerusalém, afirmou o chefe da diplomacia israelense, Yaïr Lapid. Ele disse que as recentes intervenções policiais no local estavam "justificadas".

gl-cgo/me/meb/fp

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos