Mais de 500 soldados da Guarda Nacional da Ucrânia morreram na guerra (oficial)

Soldados ucranianos feridos no interior da siderúrgica de Azovstal, em Mariupol (AFP/Dmytro 'Orest' Kozatskyi) (Dmytro 'Orest' Kozatskyi)

A invasão russa da Ucrânia provocou a morte de 561 soldados da Guarda Nacional ucraniana até agora, informou, nesta quarta-feira (11), o chefe da corporação, que inclui o batalhão Azov, atualmente entrincheirado no complexo siderúrgico de Mariupol.

Outros 1.697 soldados da Guarda Nacional ficaram feridos desde o dia 24 de fevereiro, detalhou o comandante da Guarda Nacional, Oleksiy Nadtochy, em comunicado.

Tanto a Rússia quanto a Ucrânia não costumam divulgar os números de suas baixas no conflito.

Em meados de abril, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, assinalou que entre 2.500 e 3.000 soldados ucranianos tinham morrido e que outros 10.000 estavam feridos, e admitiu que era "difícil dizer quantos destes poderiam sobreviver".

A Guarda Nacional ucraniana, vinculada ao Ministério do Interior, foi criada em março de 2014, depois que a Rússia tomou o controle da península da Crimeia, no Mar Negro, e concentrou tropas junto às fronteiras orientais da Ucrânia.

Por lei, a corporação pode contar com até 60.000 efetivos e absorveu diversos grupos de autodefesa que estavam na vanguarda da revolução ucraniana (Maidan) de 2014, assim como muitos regimentos nacionalistas como o batalhão Azov.

As autoridades ucranianas informaram ontem que mais de 1.000 integrantes do batalhão Azov continuavam entrincheirados na usina siderúrgica de Azovstal, entre os quais havia centenas de feridos.

bur-tbm/hmw/md/jvb/js/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos