Mais de 509 mil pessoas tomaram vacina contra a gripe em São Paulo

Bruno Bocchini - Repórter da Agência Brasil

Em duas semanas, a campanha de vacinação contra a influenza (gripe) no município de São Paulo imunizou 509 mil pessoas – 20% do público-alvo. A campanha, que teve início no último dia 17, prevê a imunização de trabalhadores da área da saúde, pessoas com 60 anos ou mais, gestantes e puérperas (até 45 dias após o parto), crianças de 6 meses a menores de 5 anos e indígenas.

A partir da próxima terça-feira (2), serão incluídas no público-alvo pessoas com doenças crônicas e outras condições clínicas especiais. Na semana seguinte, a partir do dia 8 de maio, será a vez dos professores das escolas públicas e privadas.

A partir de 15 de maio, poderão tomar a vacina os detidos em presídios e cadeias e adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade que estejam cumprindo medida socioeducativa. Neste ano, a campanha vai vai até 26 de maio.

“O objetivo da campanha é reduzir os casos de complicações e óbitos causados pela doença no público-alvo. A vacina, além de proteger contra a gripe, reduz o risco de complicações respiratórias e pneumonia”, explica a coordenadora de Vigilância em Saúde de São Paulo, Cristina Shimabukuro.

A vacina não causa gripe – em sua composição existem apenas partículas de vírus “mortos”. Uma pequena parcela das pessoas vacinadas pode apresentar dor discreta no local da aplicação, febre baixa, dores musculares e mal-estar por até dois dias após a aplicação.

A vacina só é contraindicada para pessoas com histórico de reação ou alergia grave relacionada a ovo de galinha e seus derivados, ou a qualquer outro componente da vacina. Em São Paulo, a vacina é gratuita e está disponível em todas as unidades básicas de saúde, de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h. A relação completa dos postos pode ser consultada pelo telefone 156 ou no site da prefeitura.