Mais de 800 jihadistas morreram em dois meses no Lago Chade

Mais de 800 jihadistas morreram em dois meses durante operações militares nas ilhas do Lago Chade, situado na fronteira entre Nigéria, Níger, Camarões e Chade, informou nesta terça-feira a força conjunta formada pelos exércitos dos quatro países africanos.

Violência: Ataque em aldeias no Norte da Nigéria deixa 154 mortos

Sobreviventes: Gangues promovem massacres na Nigéria e deixam mais de 200 mortos

Entre 28 de março e 4 de junho, a força conjunta, conhecida pela sigla em francês FMM, realizou uma operação denominada "Integridade do Lago", nas ilhas do lago Chade e em localidades vizinhas para "neutralizar" os "terroristas do Boko Haram e do Estado Islâmico na África Ocidental (Iswap)", diz um relatório da força conjunta recebido pela AFP.

Segundo a força conjunta, a operação foi "um sucesso", com a morte de 805 terroristas, "além da destruição ou apreensão de 44 veículos, 22 motos e diversas armas pesadas e leves".

Cerca de 3 mil soldados participaram das ações aéreas, terrestres e navais, lançadas inicialmente por Camarões, Níger e Nigéria, às quais o Chade se uniu apenas 45 dias depois, segundo o documento.

A bacia do lago Chade é uma vasta extensão de água e terrenos alagados onde os grupos jihadistas Boko Haram e seu rival, o Iswap, se estabeleceram nas diversas ilhotas da região.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos