Mais alta autoridade xiita do Iraque pede participação nas eleições

·1 minuto de leitura
Cartazes com propagandas eleitorais estão espalhados por diversos pontos de Bagdá, a capital do Iraque, para as eleições legislativas de outubro. (AFP/Sabah ARAR)

A mais alta autoridade xiita do Iraque, Ali Sistani, pediu nesta quarta-feira (29) que a população participasse das eleições legislativas de 10 de outubro para "provocar uma mudança real" no poder.

Os observadores temem uma abstenção recorde nessas eleições antecipadas.

As legislativas, inicialmente previstas para 2022, foram uma das poucas concessões que o governo fez ao movimento de protesto do final de 2019, no qual dezenas de milhares de iraquianos exigiam a queda do regime, acusado de corrupção e incompetência.

As eleições estão gerando pouco entusiasmo entre os 25 milhões de votantes e os ativistas e partidos que afirmam fazer parte da revolta popular decidiram boicotá-las.

“A autoridade religiosa suprema encoraja todos a mostrarem sua responsabilidade participando das próximas eleições”, relata um comunicado do escritório do grande aiatolá Ali Sistani.

“Este é o caminho mais seguro para conduzir o país a um futuro promissor”, acrescentou.

Sistani pediu aos iraquianos que "aproveitem esta oportunidade para realizar uma mudança real na administração do Estado e remover as mãos corruptas e incompetentes da máquina principal".

A mais alta autoridade xiita "não apoia nenhum candidato ou lista eleitoral", de acordo com o comunicado, e pede aos eleitores que escolham aqueles "que se preocupam com a segurança e a prosperidade" do Iraque, um país com maioria muçulmana xiita.

O grande favorito das legislaturas continua sendo a corrente do líder xiita Moqtada al-Sadr, que tem o maior bloco no parlamento cessante.

lk-tgg/tp/pc/erl/ap/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos