Mais da metade dos cariocas considera a mobilidade urbana ruim ou péssima na cidade, afirma Datafolha

Extra
·1 minuto de leitura
Foto: Domingos Peixoto / Agência O Globo

japeri.jpg

Foto: Domingos Peixoto / Agência O Globo

Cerca de 57% das pessoas que vivem no Rio de Janeiro consideram a mobilidade urbana ruim ou péssima. Isso foi o que revelou uma pesquisa do Datafolha, encomendada pelo aplicativo 99 e divulgada em primeira mão pelo EXTRA.

O Rio foi a cidade que analisou o assunto de maneira mais negativa, em comparação a São Paulo, Porto Alegre, Salvador, Recife e Belo Horizonte. Em torno de 30% dos cariocas responderam que a mobilidade urbana, de maneira geral, é regular e apenas 13% disseram que é boa ou ótima.

Leia também:

O isolamento social contribuiu para a redução do número de carros nas ruas. Por isso, 62% das pessoas estão preocupadas com o aumento do trânsito no pós-pandemia. Como solução para melhorar esse quadro, 64% acreditam que o uso de veículos particulares piora a mobilidade urbana e, consequentemente, o mesmo percentual defende que a existência de carro por aplicativo diminui a necessidade de ter veículo próprio.

Dados da 99, referente a corridas executadas em outubro, indicam que 74% das viagens por app acontecem fora das regiões mais ricas da cidade do Rio de Janeiro.

— A 99 quer incentivar a integração dos modos de transporte das cidades, como táxis, carros particulares, ônibus, metrô, bicicleta, entre outros, para colaborar o direito de ir e vir dos brasileiros, contribuindo para maior acessibilidade, segurança e conforto. A empresa busca democratizar a mobilidade urbana, garantindo acesso da população periférica às oportunidades de trabalho, estudo e lazer da cidade — defende Rodrigo Ferreira, Gerente de Políticas Públicas da 99: — Dessa maneira, a empresa procura manter boas relações com agentes da esfera pública e sociedade civil, aberta para conversas que colaborem com a integração do sistema de mobilidade das cidades, incentivem o comportamento multimodal e contribuam para maior democratização do acesso à cidade.