Mais de 2 milhões de testes de Covid estão parados em galpão do Ministério da Saúde

Redação Notícias
·4 minuto de leitura
NEW DELHI, INDIA - 2021/04/05: A health worker places a swab sample vial into a box after a Covid-19 RT-PCR test at a road side near the railway station in New Delhi.
India recorded all time high of 103,558 coronavirus infections making it the highest since the coronavirus pandemic began in India. (Photo by Naveen Sharma/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
O TCU ainda cobrou a distribuição imediata dos kits, e deu prazo até o dia 28 de abril, a próxima quarta-feira, para o Ministério da Saúde dar explicações (Foto: Naveen Sharma/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
  • Mais de dois milhões de testes para identificar o coronavírus estão parados em um galpão do Ministério da Saúde em São Paulo

  • Pelos cálculos do TCU, os testes irão perder a validade entre maio e junho

  • O Ministério da Saúde disse que 419 mil testes serão distribuídos antes do vencimento, e que os outros 1,8 milhão estão sendo avaliados pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade

Mais de dois milhões de testes para identificar o coronavírus estão parados em um galpão do Ministério da Saúde, localizado próximo ao Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na Região Metropolitana da cidade. São cerca de 2,2 milhões.

De acordo com o G1, o Tribunal de Contas da União (TCU) quer explicações sobre a destinação desses kits. Ainda segundo o jornal, são testes do tipo R-PCR, que vencem em um prazo curto. Pelos cálculos do TCU, os testes irão perder a validade entre maio e junho. 

Leia também

O TCU ainda cobrou a distribuição imediata dos kits, e deu prazo até o dia 28 de abril, a próxima quarta-feira, para o Ministério da Saúde dar explicações.

Para tentar "ajudar" o ministério, a Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a extensão do prazo de vencimento por quatro meses. No entanto, há ainda grande quantidade para ser distribuída e, portanto, grandes chances dos testes estragarem. 

O Ministério da Saúde disse que 419 mil testes serão distribuídos antes do vencimento, e que os outros 1,8 milhão estão sendo avaliados pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade. Em seguida, segundo a pasta, serão distribuídos a estados e municípios. 

Em novembro de 2020, o número de testes encalhados era ainda maior, chegando a quase sete milhões de testes com validade até janeiro de 2021. O Ministério não comentou a decisão do TCU. 

Mais de 14 milhões de infectados no Brasil

O Brasil é um dos países que ainda tem uma testagem para Covid considerada baixa. No ranking de testes por milhão de habitantes, o Brasil aparece atrás dos vizinhos Chile, Uruguai e Argentina.

Mesmo com a testagem baixa, o país é o que mais tem mortes em toda américa latina. Nesta quinta-feira (22), o Brasil registrou 2.027 novas mortes pelo novo coronavírus e 45.178 casos da doença.

Com isso, o total de mortos chegou a 383.502 e o de casos a 14.167.973, de acordo com o painel atualizado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), um sistema próprio de informações que reúne dados de contaminados e de óbitos em contagem paralela à do governo.

Na quarta-feira (21), o país tinha 381.475 mortes e 14.122.795 casos confirmados de Covid-19, de acordo com o conselho.

Os dados do Conass também viraram referência para o Congresso Nacional, que abandonou a contagem do Ministério da Saúde. A decisão foi anunciada pelo então presidente do Senado, Davi Alcolumbre, no início de junho de 2020.

Novo recorde em casos de Covid no mundo

O dia 22 de abril de 2021 foi aquele com o maior número de casos registrados de Covid-19 em 24 horas em toda a pandemia. Desde o início do ano passado, nunca o mundo havia chegado tão perto dos 900 mil contaminados como aconteceu na última quinta-feira.

De acordo com a publicação científica Our World In Data, especializada em dados sobre as condições de vida em todo o planeta, foram 899.831 casos confirmados da Covid-19 em apenas um dia ao redor do mundo. 

Índia vive seu pior momento na pandemia (Foto: AP Photo/Rajanish Kakade)
Índia vive seu pior momento na pandemia (Foto: AP Photo/Rajanish Kakade)

O número supera os 889.975 registrados apenas um dia antes, na quarta-feira, e o recorde anterior a esta semana, de 880.837, marcado em 7 de janeiro, quando os Estados Unidos atravessavam seu pior momento da pandemia.

A evolução recente nos casos é resultado direto do colapso da saúde na Índia, responsável por 332.921 dos contaminados na última quinta-feira. Não por coincidência, os indianos também quebraram pelo segundo dia seguido o recorde de casos de um país em 24 horas.

No Brasil, foram 45.178 novos contaminados na última quinta-feira, número bem inferior à marca mais alta do país em apenas um dia: 100.158, há pouco menos de um mês, em 25 de março.

Índia enfrenta colapso

Brasil e Índia são considerados os epicentros da Covid-19 no momento. O país asiático atravessa um colapso na saúde, com falta de leitos hospitalares, medicamentos e oxigênio para os pacientes contaminados.

Na última quinta-feira, os indianos registraram seu recorde de mortes por Covid-19, 2.263, ultrapassando inclusive o Brasil, que marcou 2.027. Em todo o mundo, foram 13.712 óbitos em 24 horas.