Mais de mil contas são banidas pelo WhatsApp por disparo em massa nas eleições

Gabriela Oliva
·1 minuto de leitura

RIO - O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o WhatsApp anunciaram, nesta quarta-feira, o banimento de mais de mil contas por suspeita de disparos de mensagens em massa no aplicativo. As denúncias foram feitas em uma ferramenta criada pelo TSE em parceria com o aplicativo.

Segundo o TSE, no período de 27 de setembro a 15 de novembro, o canal recebeu 4.759 denúncias, mas 129 foram desconsideradas por não estarem relacionadas às eleições. Também foram enviados ao WhatsApp 4.630 casos para verificação de violação dos Termos de Serviço.

Após uma primeira etapa de revisão, o aplicativo de mensagens identificou números duplicados. Das 3.236 contas válidas identificadas, 1.004 foram banidas por violação dos Termos de Serviço do Whatsapp.

Ainda de acordo com o TSE, o número corresponde a mais de 31% das contas válidas denunciadas ao Tribunal e, dentre as contas banidas, mais de 63% já tinham sido bloqueadas de forma automática pelo sistema de segurança do WhatsApp — antes mesmo da denúncia.

Aline Osorio, secretária-geral da Presidência do TSE e coordenadora do Programa de Combate à Desinformação, ressaltou que os resultados revelam a importância de colaborar no combate à desinformação durante as eleições:

— O disparo em massa de mensagens é uma prática proibida, passível de punição nas eleições. Os eleitores devem estar atentos e denunciar atividades suspeitas que desequilibrem o processo eleitoral — informou.

A parceria entre o TSE e o WhatsApp inclui também a criação do chatbot “Tira-dúvidas no WhatsApp”, cursos de capacitação para servidores dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) sobre como combater a desinformação nas plataformas digitais e a disponibilização de um pacote de figurinhas para incentivar o engajamento dos eleitores no processo eleitoral.